Cidadeverde.com
Geral

Sinpolpi decreta movimento "Polícia Padrão" a partir de segunda (14)

Imprimir
  • fotos-policia-civil-3.jpg
  • fotos-policia-civil-2.jpg
  • fotos-policia-civil.jpg

Policiais civis do Piauí iniciam, a partir da segunda-feira (14), o movimento "Polícia Padrão", quando a categoria passará a dar prosseguimento às investigações, somente após a abertura do inquérito de portaria, instaurado pelo delegado da área. Em assembleia, nesta quarta-feira (09), agentes de polícia e escrivães que são chefes de plantão, cartório e investigação em  distritos policiais, decidiram também que entregarão as funções na próxima semana. 

De acordo com o presidente do Sinpolpi, Constantino Júnior, a medida está dentro da legalidade e é uma tentativa de pressionar o Governo a retomar a gratificação de serviço a estes profissionais. "A secretaria de Segurança tratou de forma discriminatória os policiais que exercem cargos de chefia", resume Júnior. 

A categoria denuncia que estes estão sem receber pela função desde janeiro. O benefício- que seria em torno de R$ 1 mil- estaria sido concedido apenas a profissionais lotados nas delegacias especializadas e gerências da Delegacia Geral, em torno de 20% dos profissionais.

"A partir de agora, vamos aplicar o Polícia Padrão com relação ao exercício das chefias. O policial dará início à investigação após a abertura do inquérito de portaria, após a oitiva da vítima. Por exemplo, uma vítima de roubo vai à delegacia, registra BO. Então, os policiais só cumprirão a ordem de emissão, se tiver pelo menos a oitiva da vítima", explica Constatino. 

De acordo com o Sinpolpi, somente no 1º DP de Teresina, nos meses de março a a julho, foram registrados quase 3.500 Boletins de Ocorrência, sendo que destes, segundo o Constantino Júnior, menos de 1% resultou na abertura de inquérito.

O movimento Polícia Padrão acontecerá de forma permanente, sustenta o Sinpolpi. Além da reivindicação pelos cargos de chefia, a categoria pleiteia aumento do efetivo e melhor aparelhamento da Segurança Pública. 

A assembleia ocorreu no pátio da Secretária de Segurança e reuniu cerca de 150 policiais civis. De acordo com o Sindicato, o efetivo de policiais civis no Piauí é de 1.300 e a necessidade chega a 2.700.


Graciane Sousa
[email protected]

Imprimir