Cidadeverde.com
Geral

Mau cheiro de corpos do IML volta a incomodar moradores na zona Sul

Imprimir

Mais uma vez, o mau cheiro volta a incomodar moradores no entorno do Instituto Médico Legal (IML), zona Sul de Teresina. De acordo com um funcionário- que não quis ser identificado- o odor seria causado devido ao descongelamento de corpos, após a quebra de duas geladeiras. O problema vem incomodando a população desde a semana passada. 

"A situação já vem se agravando há dias... o mau cheiro exala e os moradores não têm condições de permanecer nas imediações do IML e até nas casas está complicado ficar", disse um morador, que também preferiu não ser identificado. Solimar Gonçalves veio do município de Inhuma buscar o corpo de familiar e foi surpreendido com a situação. 

"Para liberar o corpo é a maior dificuldade do mundo e ainda tenha essa situação...a gente aguenta porquê fazer o quê?", disse Gonçalves.

O diretor de Polícia Técnico-Científica do Piauí, Antônio Nunes, explica que a geladeira que apresentou problemas foi comprada pelo Ministério da Justiça e doada ao Estado em 2014 e que uma visita técnica está agendada para esta terça-feira (27) para resolver a situação. 

"Na verdade, essas geladeiras não eram para apresentar problemas, pois são novas. No entanto, tal com as geladeiras da casa da gente, mesmo novas, às vezes dão problemas, imaginem 12 geladeiras que funcionam o tempo todo. Não tivemos como resolver o problema imediatamente, pois dependemos de agendamento técnico que ficou marcado para hoje", explica Nunes. 

Em entrevista ao Notícia da Manhã, ele esclarece ainda que o mau cheiro não é provocado pelos corpos, mas por secreções dos cadáveres. 

"Na hora que esa geladeira 'pifou', colocamos os corpos em outra geladeira. O mau cheiro é da secreção que descongela. Hoje ela será limpa e está programada para ser consertada", reitera.

Esta não é a primeira vez que o problema incomoda moradores. No mês de junho, duas geladeiras que conservavam os corpos quebraram e o mau cheiro tomou conta do bairro. 

 

Graciane Sousa
[email protected]

Imprimir