Cidadeverde.com
Geral

Perito autônomo questiona laudo e o caso Salve Rainha pode ter reviravolta

Imprimir

Insatisfeito com o resultado apresentado pela perícia do instituto de criminalística, um perito decidiu por conta própria, realizar uma nova investigação sobre o acidente com os amigos do coletivo Salve Rainha. O acidente que ocorreu em junho, vitimou fatalmente Francisco das Chagas Júnior, seu irmão Bruno Queiroz e deixou o amigo Jader Damasceno gravemente ferido.

O perito Pitágoras Veloso, estudou os laudos e chegou a conclusões diferentes da perícia oficial. Baseado nos laudos, ele afirma extrajudicialmente que o sinal estava aberto para Moaci Júnior, e que portando não poderia ser imputada ele a culpa pela invasão do semáforo que teria provocado o acidente com os jovens.

Durante as observações o perito conta que esteve no local do sinistro cerca de quatro vezes e uma de suas primeiras considerações é que  imagem fornecida por uma câmera de segurança não pode ser usada como referência para atestar qual semáforo estava aberto. A justificativa é de que o relógio do vídeo não está sincronizado com o da sinalização semafórica.

"O que eu declaro é que houve um erro de percepção e que levava o sinal a esse vício", explicou o perito.

Para chegar a essa conclusão o perito forense oficiou a STRANS para analisar a sinalização semafórica e o tempo de fechamento de cada sinal. O perito questiona ainda sobre a velocidade que foi apresentada no laudo oficial que aponta que Moaci trafegava entre 97 km e 101 km, quando o autorizado para a via era 60 km.

"Eu tenho sérias dúvidas se Moaci estava a 100 km. A causa determinante foi excesso de velocidade? Embriaguês? Não. Foi a invasão do sinal", enfatizou.

Por enquanto o perito não tem contrato para atuar na defesa do acusado e esse parecer é extrajudicial, produzido pelo perito a pretexto meramente de "busca pela verdade científica".

Acionados pela TV Cidade Verde os peritos que produziram o laudo oficial preferiram não se pronunciar em entrevista mas consideraram normal que peritos particulares façam estudos paralelos. Todos os estudos serão analisados, mas os peritos oficiais mantém a posição de que Moaci invadiu o sinal vermelho.

Moaci júnior foi preso e liberado 24h depois mediante fiança. O motorista foi preso novamente por não comparecer a uma audiência na Justiça sendo posto em liberdade em dezembro do ano passado. O jovem foi indiciado por duplo homicídio entre outros crimes e vai a júri popular.

Reportagem de Tiago Melo TV Cidade Verde
Rayldo Pereira
[email protected]

Imprimir