Cidadeverde.com
Geral

Bolsa Família vira moeda de voto e Governo faz alerta à população

Imprimir

 
A coordenadora estadual do Bolsa Família no Piauí, Socorro Leite, admitiu nesta quarta-feira(24) que o programa do Governo Federal está sendo utilizado com fins eleitoreiros no Estado, como publicou reportagem da Folha de São Paulo. Socorro Leite revelou que tem recebido várias denúncias da prática ilegal nos municípios e que irá encaminhar os casos para o Tribunal Regional Eleitoral(TRE) e Ministério Público.
 
Matéria relacionada:
 
 
Segundo informações divulgadas hoje, nas cidades de Pedro Laurentino, Socorro do Piauí, São João do Piauí e Aroeira do Itaim, os candidatos a prefeito e vereador estariam prometendo o desbloqueio do benefício em troca de votos. A coordenadora estadual do programa alerta que a população deve ficar tranquila e que o bloqueio é fato corriqueiro quando há alguma irregularidade de informações. Quando a informação é retificada, o beneficiário volta a receber o dinheiro.

"Esse bloqueio é corriqueiro e os políticos estão usando isso como se eles pudessem desbloquear o benefício. O MDS( Ministério do Desenvolvimento Social) está fazendo essa fiscalização e a população pode ficar tranquila porque ninguém irá entrar ou sair do programa até o mês de dezembro", garantiu Socorro Leite.

A coordenadora informou ainda que pelo menos mais dois municípios do Estado também já denunciaram a situação, sendo um deles Francinópolis, a 184 Km de Teresina. "O próprio prefeito ligou para a coordenação e afirmou que os vereadores do município estavam abordando os eleitores com a promessa de garantir o Bolsa Família", disse.

O procurador regional eleitoral do Piauí, Marco Túlio Caminha, afirmou que ainda não tomou conhecimento das denúncias, mas condenou a prática. "Independente de ser com o Bolsa Família, a compra de votos é caracterizada como corrupção eleitoral. Se for comprovado o uso do programa é pior ainda, porque há o crime de improbidade administrativa. Apesar de ainda não ter conhecimento, vamos apurar e acompanhar o caso", concluiu Marco Túlio.


Záira Amorim
[email protected]

Tags:
Imprimir