Cidadeverde.com
Cidades

Preso é morto com tiro na cabeça dentro de delegacia no Sul do Piauí

Imprimir

Atualizada às 16h47

Atualizada às 12h55

Um preso foi morto na madrugada de hoje (5) dentro da delegacia do município de Redenção do Gurguéia (691 km de Teresina). A Polícia Civil apura o caso e a Ordem dos Advogados do Brasil de Bom Jesus (632 km de Teresina) informou que vai acionar o Ministério Público. A vítima - Marcelo Ribeiro da Costa, 31 anos -  teria sido morto por um policial militar de plantão. 

Segundo o delegado Aldely Fontenele, de Bom Jesus, uma equipe da Polícia Civil está se deslocando nesse momento ao local. "Ele foi em um festejo que está acontecendo em um bairro de Redenção do Gurguéia e conduzida ao grupamento. Lá, aconteceu essa tragédia, estamos seguindo para o local e iremos apurar o ocorrido", relatou. 

Presidente da OAB em Bom Jesus, o advogado Bráulio Melo informou que a Ordem irá acompanhar o caso. Segundo ele, é preciso saber as circunstâncias em que a morte ocorreu e, por isso, o Ministério Público do Piauí será acionado. 

"A competência dessa fiscalização é do MP, então vamos oficiar para que tudo seja devidamente apurado. Por parte da OAB, daremos apoio jurídico à família da vítima, caso seja necessário, de forma gratuita. Prestaremos auxílio cobrando a devida resolução pelas autoridades", informou. 

Marcelo Ribeiro da Costa, conhecido como Marcelo onça, estava no festejo de Santo Antônio na noite de ontem e foi levado pela viatura da Polícia após denuncia de que ele estaria ameaçando agredir uma das garotas. Ao chegar na delegacia, há relatos de que ele foi agredido pelos policiais. Marcelo foi morto com um tiro na cabeça. 

As circunstâncias em que a morte ocorreu ainda não estão claras. O corpo do homem está no hospital de Bom Jesus, onde passa por perícia e será feita a retirada do projétil, que é uma das provas do caso. Segundo o comandante de policiamento da região, Major Evandro Gomes, ninguém foi preso até o momento e a Polícia Militar acompanha o caso.


Marcelo com jogadores do Estrela de Redenção, time pelo qual era apaixonado

O prefeito de Redenção do Gurgueia, Ângelo Sena, lamentou a morte e declarou que estará reunido em breve com o secretário de segurança, Fábio Abreu, e o comandante da PM, coronel Carlos Augusto Gomes, para tratar do caso. 

Policial não se apresentou

O delegado Everton Ferrer informou que o policial militar suspeito de matar Marcelo Ribeiro da Costa ainda não se apresentou à polícia civil. Ele será ouvido, assim como todas as testemunhas do caso, e sua arma será periciada. 

Segundo o delegado, as informações oficiais sobre o caso serão divulgadas apenas com a conclusão do inquérito, ao fim de 30 dias. No momento, o corpo da vítima é periciado. A polícia não descarta hipótese de tiro acidental.

Ferrer destacou ainda que vai apurar em que circunstâncias a vítima foi levada para a delegacia da cidade - que está sob a circunscrição de Bom Jesus e, por isso, não possui delegado. Isso porque, segundo o código de processo penal, Marcelo deveria ter sido apresentado imediatamente a uma autoridade policial. 

"Sabemos que na cidade não tem delegado e por isso ele poderia estar sendo mantido lá para ser conduzido a Bom Jesus. Ouviremos todos, para saber porque ele foi para lá, onde foi colocado, quantos tiros foram disparados e outras informações", explicou. 

O delegado Aldely Fontenele, de Bom Jesus, é o responsável pelo inquérito do caso. Segundo ele, o caso aconteceu por volta das 23h e relatos dão conta que a vítima passou a  ser violentamente agredida no interior da delegacia, fato que só se encerrou, duas horas depois, após o disparo de uma arma de fogo. "Ele foi atingido na cabeça por um projétil de calibre .40, conforme exame cadavérico realizado por médico-legista nesta manhã. A Polícia Civil foi até o local do fato, tirou fotografias, realizou entrevistas, colheu provas e deve ouvir algumas testemunhas nesta tarde, dentre elas, um dos policiais militares envolvidos.", afirmou.

Ainda segundo o delegado, o outro policial suspeito se encontra foragido e possivelmente foi auxiliado por uma mulher pilotando uma motocicleta. "Os trabalhos de polícia judiciária devem continuar até a elucidação desse triste episódio que chocou a sociedade piauiense de um modo geral", declarou.

Maria Romero
redacao@cidadeverde.com

Imprimir