Cidadeverde.com
Geral

Igreja São Benedito tem porta danificada e professor denuncia vandalismo

Imprimir


Antes e depois de porta danificada na Igreja de São Benedito

Fechada para reforma e restauração, a Igreja de São Benedito, no Centro da capital foi alvo de um suposto ato de vandalismo na madrugada deste sábado (10). Em postagem no seu Facebook, o professor Cinéas Santos publicou uma imagem que mostra uma das portas da igreja com um pedaço arrancado. O professor, que costuma fiscalizar pessoalmente o patrimônio histórico e artístico da capital denuncia vandalismo e alerta para a falta de proteção do local.

"Construída entre 1874 e 1886, a Igreja de São Benedito é o terceiro templo católico edificado em Teresina, graças ao empenho de Frei Serafim de Catânia. Trata-se de uma igreja construída com o trabalho dos mais pobres da capital piauiense. Além da imponência, o templo tem as portas em cedro e jacarandá esculpidas por Sebastião Mendes. Tombadas, mas não protegidas, as portas estão sujeitas à ação de vândalos e ladrões. Foi exatamente isso o que aconteceu na noite de ontem. Quando a violência atinge a arte, há motivos de sobra para temermos o pior. A barbárie já se instalou entre nós", publicou o professor em sua rede social.

A Igreja São Benedito exerce um papel marcante no desenvolvimento arquitetônico, religioso e cultural de Teresina. Ela foi tombada e integrada ao patrimônio histórico, artístico e paisagístico do Piauí, através do Decreto Estadual nº 10.663/2011, e tombado, junto com todo seu acervo, pelo IPHAN. Os sinos foram igualmente tombados por decreto municipal, para fins de preservação histórica e cultural.

Quase nove meses após o desabamento de uma das torres da igreja, destruindo parte do teto e da estrutura, o local permanece fechado. O acidente ocorreu na madrugada e ninguém ficou ferido. Por motivos de segurança a igreja permanece interditada e não há previsão de conclusão da reforma e restauração do local.

O Cidadeverde.com tentou contato com os Freis Capuchinhos, responsáveis pelo tempo, mas fomos informados que eles participavam da celebração diária da missa. Até a publicação desta matéria não houve retorno.

Confira a publicação na íntegra:


Rayldo Pereira
rayldopereira@cidadeverde.com

 

Imprimir