Cidadeverde.com
Cidades

Barragem seca e cidade fica 100% sem água potável no interior do Estado

Imprimir

Foto tirada nesta terça-feira (05/set) da barragem


Com a barragem completamente seca, a população de Curimatá ( a 775 km de Teresina) enfrenta uma das piores escassez de água de sua história.

Único açude que abastece o município secou há dois meses e 100% da zona urbana e rural da cidade está sendo abastecida com carros-pipa. O prefeito Valdecir Júnior (PSDB) fez um apelo a Defesa Civil.

Júnior conta que a barragem Vereda da Cruz secou causando uma crise hídrica na região. Segundo ele, 10 carros-pipa abastecem a área urbana e sete caminhões estão na zona rural.

"Mesmo assim não tem sido suficiente, a população está sofrendo muito e estou clamando as autoridades para que autorize a construção de uma adutora, pois Curimatá está agoniando", desabafou o prefeito.

Na manhã desta terça-feira (5), Valdecir Júnior esteve reunido com o governador Wellington Dias, o diretor do Instituto de Águas do Piauí, Francisco Costa, secretário de Governo, Merlong Solano, além do presidente da APPM, prefeitos e representantes das cidades que integram o Consórcio Nacional de Saneamento do Sul do Piauí (CORESA).

Na oportunidade, foram discutidas ações para solucionar problemas em relação ao abastecimento de água no perímetro urbano dos municípios e nos territórios que abrangem as Chapada das Mangabeiras, Alto Parnaíba, Vale dos Rios Piauí e Itaueira, Picos e São João do Piauí.

Barragem Algodões II tem água, mas não abastece

Uma disparidade na região. Enquanto a cidade sofre com a falta de água, a 27km da cidade, a barragem Algodões II, inaugurada em 2005, acumula água que daria para matar a sede da população. O problema é que não existe uma adutora para levar água. Algodões II, segundo o prefeito, tem hoje 90 milhões de metros cúbicos de água, numa área com capacidade para 240 milhões de metros cúbicos. A barragem é a quarta maior do Estado.

Em junho deste ano, a barragem tinha água e estava iniciando o período crítico

"Precisamos com urgência a construção da adutora que é avaliada em R$ 6,8 milhões", informou o prefeito.

Desabafo

Valdecir Júnior fez um desabafo durante entrevista ao Cidadeverde.com e informou que o município está pagando o abastecimento de água para o hospital e escolas da região.

“Me sinto envergonhado por ser prefeito, por ver a população do meu município sofrendo com a falta de água. Crianças e adultos desencadeando problemas de saúde por não ter água potável para consumir".

 

Flash Yala Sena
yalasena@cidadeverde.com

Imprimir