Cidadeverde.com
Geral

Ônibus voltam a circular após 3 horas de protesto no Centro

Imprimir
  • 0c49746e-6ce6-4934-89a3-e69e370de780.jpg
  • 4e46a8b8-45bf-420a-8ca5-2072a884798a.jpg
  • 5a2a1d3c-94f3-4458-918a-f8908b34e475.jpg
  • 5d091e0f-c0a5-418f-a324-a62b0c9a031e.jpg
  • 36ae24e9-03db-47ea-8246-e83edf95481f.jpg
  • 50c71a19-d7d5-4141-8a2b-84c390beec30.jpg
  • ae711aa3-b125-4b61-a0ae-6b1d95b723c8_(1).jpg
  • af4ae3fe-7db2-4644-995f-303c2e4f0e9e.jpg
  • dce73129-ffca-4f7e-9c1f-b36a9a51ac6a.jpg
  • f4a18393-727a-401f-ad93-97ae77c2fa30.jpg


Os ônibus voltaram a circular em Teresina a partir das 12h30 desta terça-feira (10) após reunião entre os motoristas, cobradores e os vereadores de Teresina. A categoria fez uma manifestação parando os coletivos por 3horas contra medidas que determinam que os cobradores paguem pelos assaltos ocorridos nos ônibus. Os manifestantes saíram da praça da Bandeira, seguiram pela Frei Serafim e enceraram o ato em frente a Câmara Municipal. 

O vice-presidente do Sintetro, Francisco das Chagas Oliveira, afirmou que na reunião desta terça nenhuma diretriz foi firmada entre a Strans e o Setut, que participaram da reunião. Segundo ele, uma nova data deve ser marcada em até uma semana para uma reunião com o Ministério Público do Trabalho para que as reivindicações possam ser atendidas.

"Se em uma semana eles não marcarem a reunião para uma negociação paralisaremos novamente", disse.

Atualizada às 12h33

Motoristas e cobradores estão reunidos neste momento com vereadores na Câmara Municipal de Teresina. Parte da frota de ônibus permanece parada na Avenida Marechal Castelo Branco. A paralisação, que estava prevista para acabar às 11h, deve chegar ao fim somente às 14h.

Matéria original

Motoristas e cobradores de ônibus realizam na manhã desta terça-feira (10) paralisação contra o desconto em salário da categoria por assaltos aos coletivos urbanos. Cerca de 70% da frota está paralisada. A concentração dos motoristas é na praça da Bandeira, Centro de Teresina.

A greve por tempo determinado iniciou às 9h e vai até às 11h. A categoria sairá em carreata até a Câmara Municipal de Teresina. O protesto gera engarrafamento pelas ruas do Centro da capital. 

O presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Empresas de Transporte Rodoviário (Sintetro), Fernando Feijão, disse que a categoria defende a implantação do botão do pânico.

"Queremos que seja suspenso o desconto no salário dos cobradores por assaltos aos ônibus. A categoria está pagando pelo preço da violência e comprometendo mais de 40% do salário dos cobradores", disse Fernando Feijão.

Segundo levantamento do Sindicato, de janeiro até 20 de setembro, quatro empresas de ônibus sofreram 61 assaltos. 

"Vamos à Câmara falar com os vereadores por que existe também uma multa no valor de R$ 3.300 referente a questões administrativas e queremos  que seja criado um comitê permanente para a discussão do problema", ressaltou Feijão.

Nota de esclarecimento do Setut

O SETUT – Sindicato das Empresas de Transportes Urbanos de Teresina reafirma que tem adotado medidas preventivas e que está ao lado dos passageiros, além de motoristas e cobradores, na reivindicação de mais segurança pública, já que também sofre os efeitos da insegurança no sistema de transporte.

As empresas não têm poder para atuar na segurança pública, mas contribuem com o envio de informações aos órgão competentes sobre as rotas e horários com mais incidência de assaltos para que possam agir preventivamente ou, quando necessário, realizar a prisão dos envolvidos.

A entidade esclarece que, de acordo com a convenção coletiva, existe um procedimento padrão junto aos cobradores que é de, sistematicamente, fazer retiradas de valores da gaveta e armazenar em um compartimento próprio os valores arrecadados da tarifa. Na gaveta dos ônibus deve constar somente em torno de R$ 30,00 para ser utilizado como troco, conforme estabelecido em acordo coletivo da categoria de motoristas e cobradores.

Quando acontecem os furtos e os valores levados são bem superiores ao determinado pelo Sistema de Transporte, esses valores são descontados do cobrador; visto que o mesmo não seguiu a regra estabelecida pela convenção coletiva, ficando sujeito às penalidades previstas.

Aguarde mais informações

Flash Yala Sena
yalasena@cidadeverde.com 

Imprimir