Cidadeverde.com
Geral

Servidores bloqueiam entradas da Eletrobras para impedir assembleia

Imprimir
  • 32c8b9b9-8148-40af-b08f-4d48ca7b7008.jpg Lyza Freitas/Cidadeverde.com
  • 1194992d-5101-422a-b6b5-6df5225c67de.jpg Lyza Freitas/Cidadeverde.com
  • 588674fa-fd97-4e22-935f-fc8e014a1513.jpg Lyza Freitas/Cidadeverde.com
  • 4a24e7b4-700b-4f65-8d92-dc41ef5efa5e.jpg Lyza Freitas/Cidadeverde.com
  • 4a6cc40e-a09b-4e29-bcb5-b79f84c37117.jpg Lyza Freitas/Cidadeverde.com

Servidores da Eletrobras/Piauí bloquearam as três entradas da sede da empresa, no centro de Teresina, nesta quarta-feira (21). O protesto motivado por uma paralização que acontece desde a manhã de ontem, segundo o Sindicato dos Urbanitários do Piauí, tenta impedir a realização de uma assembleia geral de acionistas, que estava marcada para hoje às 17h no local. 

A assembleia tem o objetivo de discutir o processo de desestatização da Cepisa no Estado, para dar prosseguimento a venda da companhia em leilão, marcado para o dia 30 de maio. O presidente do Sindicato, Paulo Sampaio, informou que eles continuarão até à meia noite em manifestação na tentativa de impedir que a empresa seja privatizada. 

“Estamos paralisados por 48 horas em protesto contra a privatização e a realização da assembleia dos acionistas marcada para hoje. Estamos fazendo a nossa mobilização para barrar, para que não aconteça a Assembleia. Ela é um requisito para a privatização e se ela acontecer, os acionistas vão autorizar o governo a colocar a Cepisa no leilão para venda", afirmou Paulo Sampaio.

Até às 17h de hoje, nenhum acionista ou representante tinha comparecido à Eletrobras para participar da assembleia.

Sob luz de lamparinas

Paulo Sampaio informou que eles farão um ato simbólico ascendendo lamparinas ao redor do prédio. A ideia é deixar uma mensagem de que o Estado vai regredir à época da iluminação a base de lamparinas se a empresa for privatizada". A simbologia vem a calhar ainda mais por acontecer no dia de hoje, em que o Piauí foi atingido por um apagão.

Processo judicial

O sindicato ingressou com um processo judicial pedindo a anulação da audiência pública que aconteceu no dia 28 de março em Teresina, - que era outro requisito obrigatório no processo de privatização. De acordo com Paulo, a audiência foi irregular. "Juridicamente, estamos contestando a validade dessa audiência, que foi feita de forma unilateral, não houve a participação da sociedade piauiense".

O Cidadeverde.com entrou em contato com a Assessoria da Eletrobras, que até a publicação da matéria confirmou apenas que a assembleia estava marcada para às 17h

 

Lyza Freitas
[email protected]

Imprimir