Cidadeverde.com
Viver Bem

Os malefícios da solidão e o que fazer para lidar com ela

Imprimir

É provável que você já tenha passado pela experiência de perder-se de seus pais no supermercado ou em alguma loja quando criança. A sensação nesses momentos é angustiante, pois nos sentimos vulneráveis, desamparados e acima de tudo, sozinhos. Entretanto, não é necessário perder-se de alguém para sentir este conjunto de emoções.

 

O que é a solidão?
A solidão é o estado em que a pessoa não se sente parte de um todo, segundo a psicóloga Lia Clerot. É o isolamento não apenas físico, mas emocional. Entre as causas da solidão, estão a sensação de incapacidade para se relacionar com outras pessoas, além do medo de ser julgado ou de não ser bom o suficiente para os outros. Em alguns casos a solidão pode acontecer por opção, o que configura um quadro de solitude. Porém, quando este sentimento se torna inerente a nossa existência e nos sentimos constantemente desamparados, trata-se de solidão.

 

Causas da solidão
Segundo Lia Clerot, a baixa autoestima, falta de confiança e distúrbios psicológicos como a depressão podem ser gatilhos que promovem a sensação de isolamento. "O convívio social também pode provocar a solidão, pois existe a possibilidade de frustração por não nos sentirmos parte de determinados grupos. Isto acontece principalmente entre os jovens", explica a especialista. De acordo com dados de pesquisa realizada pelo Cigna, uma organização americana de serviços de saúde, indivíduos com 18 a 22 anos de idade são os que mais sofrem com a solidão.

Veja demais causas da solidão:

1 - Solidão por morar sozinho:
A psicóloga Adriana de Araújo também aponta que morar sozinho pode desencadear a solidão. De acordo com dados do IBGE, 9% dos lares no Brasil são formados por pessoas que moram sozinhas, o que equivale a aproximadamente vinte milhões de pessoas que estão vulneráveis a se sentirem isoladas.

"Quando não encontramos pessoas que compartilham ideias e valores semelhantes aos nossos, também podemos nos sentir solitários", explica a psicóloga.

 

2 - Solidão por mecanismo de defesa
Para cessar a possibilidade de julgamento externo, podemos recorrer a introversão e a busca da solidão para fugir de situações que nos causem desconforto. A psicóloga Milene Rosenthal explica que eventos sociais nos dão a impressão de que estamos expostos, pois o contato com outras pessoas nos obriga a estar em evidência.

"Isolando-se do convívio social, diminuímos as chances de sermos hostilizados, criticados ou julgados", diz a especialista.

 

3 - Solidão por insatisfação com os outros:
Todas relações interpessoais, sejam elas profissionais, amorosas ou fraternais, implicam na criação de expectativas. E para Raquel Staerke, quando estas expectativas mútuas não são expostas com clareza, ocorre o risco de termos frustrações. A frustração causa sentimentos prejudiciais, e por isso, muitas pessoas isolam-se socialmente e emocionalmente como uma forma de autoproteção ou protesto. "O perigo está no período em que se permanece isolado. Uma longa fase de exclusão social pode ser um indicativo de depressão", alerta Raquel.

 

4 - Solidão por falta de identificação:
Quando nos deparamos com o diferente, é comum reagir com medo e estranheza. Segundo Raquel, o problema está na maneira que lidamos com isso: "Quando buscamos refúgio em nós mesmos para escapar das diferenças, podemos nos sentir sós diante do mundo", explica. Por sermos seres gregários, isto é, que apresentam tendência a estar um com os outros, o isolamento pode ser extremamente prejudicial. A necessidade de filiação e identificação social é inerente a quem somos, e quando isto não acontece, nos sentimos abandonados. "A falta de identificação pode nos levar a pensar que não iremos conseguir pertencer a nenhuma rede de contatos", diz Raquel.

 

5 - Solidão por introspecção em excesso
Para Lia Clerot, quem é excessivamente introspectivo pode ter dificuldades em construir relações, o que pode ocasionar a solidão. O pensamento minucioso e a cautela no momento de sair da zona de conforto pode trazer o isolamento. "Quando isto causa mal estar, é preciso que mudemos nossas percepções de vida, pois algum pensamento não está adequado a nossa realidade", explica Adriana de Araújo.

 

6 - Solidão por problemas emocionais:
A solidão pode ser um efeito colateral de alguns distúrbios emocionais. Segundo o psicólogo Vitor Friary, quem tem depressão pode se distanciar de outras pessoas para evitar falar de seus problemas. "Algumas pessoas também sentem vergonha por terem dificuldades emocionais, e se isolam para manter isso em segredo", explica o especialista. Já em casos de ansiedade e fobia social, a solidão pode ser consequência do medo de ser julgado. Para Vitor, uma baixa autoestima também pode tornar as pessoas solitárias. "Ao sentir que somos inferiores e com pouco valor, acreditamos que não poderemos fazer parte de círculos sociais", afirma.


Malefícios da solidão:
Segundo Lia Clerot, a solidão pode estar associada a algumas deficiências hormonais no cérebro. Ela pode potencializar nossos níveis de cortisol, causando estresse. Já a quantidade de adrenalina e serotonina é reduzida no corpo, podendo afetar diretamente o sistema imunológico, o que pode provocar doenças. A longo prazo pode causar alterações nos níveis de açúcar no sangue, insônia e distúrbios psíquicos, como a ansiedade e a depressão.

 

Solidão: Quando ela se torna um problema?
Adriana de Araújo explica que a solidão se torna um problema quando não conseguimos ficar bem sozinhos. Com isto, nos tornamos emocionalmente dependentes, precisando ter alguém por perto que possa nos trazer bem estar.

"Essa dependência é destrutiva para a nossa liberdade e leveza emocional. Ser ou estar introspectivo por um tempo não é problema. Mas estar sempre assim nos torna inflexíveis, com pouca capacidade de mudança e adaptação, o que nos traz sofrimento, mal estar e a sensação de peso na vida", explica Adriana.


Como lidar com a solidão?
É inevitável que nós estejamos sozinhos em algum momento de nossas vidas. Entretanto, esta realidade não deve ser sinônimo de tristeza. Para o filósofo Friedrich Nietzsche, o isolamento deve ser encarado como um estado restaurador. É como um momento que temos para sermos quem somos em essência, sem nos adaptar a sociedade. Segundo Lia Clerot, é importante que mantenhamos contato com amigos e familiares, pois a interação com outras pessoas traz benefícios para a saúde mental. Porém, quando isto não for possível, é necessário readaptar nossas percepções acerca da solidão. "Estar só implica em um momento para cuidar de si, de projetos, da mente", afirma a especialista. Caso não seja possível ressignificar a solidão em momentos de mal-estar, você também pode focar em fazer aquilo que ama. "Praticar hobbies, manter-se perto de outras pessoas e buscar amigos que compartilhem de interesses semelhantes aos seus pode ajudar", aponta Lia.

 

Fonte: Minha Vida

Imprimir