Cidadeverde.com
Esporte

Sem chances de vaga na Libertadores, Santos e Botafogo empatam na Vila

Imprimir
  • santos-botafogo-6.jpg Foto: Ivan Storti/Santos FC
  • santos-botafogo-5.jpg Foto: Ivan Storti/Santos FC
  • santos-botafogo-4.jpg Foto: Ivan Storti/Santos FC
  • santos-botafogo-3.jpg Foto: Ivan Storti/Santos FC
  • santos-botafogo-2.jpg Foto: Ivan Storti/Santos FC
  • santos-botafogo-1.jpg Foto: Ivan Storti/Santos FC

Santos e Botafogo entraram em campo nesta quarta-feira, na Vila Belmiro, ainda sonhando com uma vaga na Libertadores do ano que vem, mas viram esta esperança acabar nos primeiros minutos de partida e deixaram claro a decepção em campo. Em um confronto de pouca qualidade, empataram em 1 a 1 e seguem praticamente iguais na tabela do Campeonato Brasileiro, agora sem grandes ambições até o fim da competição.

O sonho de ambos os alvinegros foi por água abaixo porque, no Beira-Rio, o Atlético-MG marcou um gol nos acréscimos e selou o triunfo por 2 a 1 sobre o Internacional. Com o resultado, o time mineiro não mais poderia ser ultrapassado por santistas e botafoguenses, garantindo a ausência de ambos no G6.

Santos e Botafogo, então, tinham uma partida quase inteira pela frente e fizeram um duelo de equipes esforçadas, mas resignadas diante deste cenário. Os santistas foram a 47 pontos e encaram no sábado justamente o Atlético-MG, novamente na Vila. Já os botafoguenses têm 48 pontos e recebem o Paraná na segunda.

O Botafogo até começou melhor nesta quarta, atacando pelo lado esquerdo, e teve bom momento com Moisés aos sete minutos. Mas logo o Santos se encontrou, assumiu o controle da posse de bola e passou a ocupar o campo de ataque. A primeira grande chance, porém, veio só aos 34 minutos, quando Felippe Cardoso recebeu de Gabriel, cortou o marcador e acertou o travessão.

Foi o suficiente para acordar o Santos, que abriu o placar logo no minuto seguinte. Após confusão pela direita, Victor Ferraz bateu para o meio da área, Rodrygo finalizou e Gatito fez grande defesa. Mas a sobra ficou com o próprio atacante, que empurrou para a rede.

O gol melhorou um pouco a partida, que deixava a desejar na qualidade técnica, mas se tornou animada. O Botafogo voltou a atacar e perdeu boa chance na sequência com Marcinho, que apareceu livre na área, mas foi travado na hora da batida por Gustavo Henrique.

Era um prenúncio do que estava por vir, porque o Botafogo cresceu e tomou conta do segundo tempo. Logo aos seis minutos, Erik aproveitou cobrança de escanteio e cabeceou na trave. Aos 13, Léo Valencia bateu falta para a área, o atacante dividiu com Diego Pituca e Brenner finalizou para empatar.

Acuado, o Botafogo viu Moisés perder chance incrível, sozinho, na pequena área, ao cabecear em cima de Vladimir. Aos 19, foi a vez de a arbitragem aparecer. Gabriel acertou o braço em Léo Valencia no meio de campo ao proteger a bola, Heber Roberto Lopes considerou agressão e o expulsou. Após uma conversa com o auxiliar, porém, o árbitro voltou atrás e mostrou apenas o amarelo.

A reviravolta pareceu animar o Santos, que perdeu bom momento com Copete. A partir daí, no entanto, os dois times desanimaram. No fim, o time santista ainda reclamou de dois pênaltis e acertou a trave no último lance, em cabeçada de Gustavo Henrique

FICHA TÉCNICA:
SANTOS 1 X 1 BOTAFOGO
SANTOS - Vladimir; Victor Ferraz, Luiz Felipe, Gustavo Henrique e Dodô; Diego Pituca, Alison e Arthur Gomes (Copete); Rodrygo (Anderson Ceará), Gabriel e Felippe Cardoso (Eduardo Sasha). Técnico: Cuca.
BOTAFOGO - Gatito Fernández; Marcinho, Marcelo Benevenuto, Igor Rabello e Moisés; Rodrigo Lindoso, Matheus Fernandes e Léo Valencia (Renatinho); Luiz Fernando, Erik (Rodrigo Pimpão) e Brenner (Kieza). Técnico: Zé Ricardo.
GOLS - Rodrygo, aos 35 minutos do primeiro tempo. Brenner, aos 13 minutos do segundo tempo.
ÁRBITRO - Heber Roberto Lopes (SC).
CARTÕES AMARELOS - Gabriel, Luiz Felipe (Santos); Marcinho (Botafogo).
RENDA - R$ 64.715,50.
PÚBLICO - 3.620 torcedores.
LOCAL - Estádio Vila Belmiro, em Santos (SP).

Por Gabriel Melloni
Estadão Conteúdo

Imprimir