Cidadeverde.com
Cidades

Profissionais do Piauí relatam atraso no pagamento do Mais Médicos

Imprimir

Foto: Karina Zambrana /ASCOM/MS/ Fotos Públicas

Alguns médicos do Piauí se manifestaram sobre o não recebimento da bolsa-formação do Programa Mais Médicos neste primeiro mês de atuação. O Ministério da Saúde admitiu o atraso para médicos que aderiram ao programa depois do dia 07 de dezembro, alegando dificuldades técnicas no cadastro dos profissionais.

No entanto, profissionais piauienses alegam ter assumido os postos de trabalho antes desta data e mesmo assim estão sem receber o pagamento. Eles destacam que até a ajuda de custo nunca foi depositada. 

Os médicos não quiseram se identificar, mas afirmaram que em grupos dos profissionais nas redes sociais, o recebimento é praticamente nulo. 

"Eu, assim como praticamente todos médicos novos que conheço do programa não receberam. Temos um grupo com médicos do programa de todo o estado, mais de 100 médicos, e nele apenas duas pessoas receberam. Comecei a trabalhar dia 04 de dezembro e não recebi até agora, assim como a imensa maioria dos meus colegas", ressalta o médico em e-mail ao Cidadeverde.com.

Ele conta ainda que  a realidade não é só do Piauí, mas também de outros estados como Mato Grosso e Bahia. O Cidadeverde.com também recebeu outro e-mail de uma médica que está atuando no Rio Grande do Sul onde também declara não ter recebido o salário até o momento. 

"Estou no programa Mais Médicos, em município do Rio Grande do Sul, como eu, muitos sem receber, acúmulos de contas e nenhuma resposta que convença. Só deveres, direitos nenhum! Quase metade do mês, não recebemos o valor da bolsa que seria líquido R$ 11.200,00, e não recebemos ajuda de custo que seria outro valor da bolsa, muito menos das passagens", relata a médica. 

Outro profissional ouvido contou que na última segunda-feira(07) recebeu uma mensagem do Programa Mais Médicos dizendo que estão agilizando, mas que devido as mudanças de contas com as novas adesões estava atrasado. Eles teriam afirmado que o repasse seria feito ainda no mês de janeiro. 

"Eu acho que eles não estavam preparados para tanta mudança de conta, porque tiveram que tirar todos os cubanos e botar mais de oito mil novas contas. É questão burocrática", acredita o médico. 

A coordenadora do Mais Médicos no Piauí, Idivani Braga, informou ao Cidadeverde.com que não recebeu nenhuma reclamação dos médicos sobre o assunto. Mas, que previa que isso poderia acontecer. 

"A maior parte deixou para se apresentar no último dia, quando a folha do mês de dezembro já tinha fechado. Já imaginava que isso poderia acontecer, que poderia ter problema", afirmou Idivani Braga.


Caroline Oliveira
redacao@cidadeverde.com

Imprimir