Cidadeverde.com
Política

Filho de Bolsonaro diz que Bebianno mentiu sobre conversas com presidente

Imprimir

Foto: Photopress/ Folhapress

Em rede social, o vereador Carlos Bolsonaro (PSL-RJ) acusou o ministro da Secretaria-Geral da Presidência da República, Gustavo Bebianno, de mentir ao dizer que conversou com seu pai, o presidente Jair Bolsonaro, nesta terça-feira (3).

"Ontem estive 24h do dia ao lado do meu pai e afirmo: ´É uma mentira absoluta de Gustavo Bebbiano [sic] que ontem teria falado 3 vezes com Jair Bolsonaro para tratar do assunto citado pelo Globo e retransmitido pelo Antagonista´".

A afirmação foi feita na conta do vereador no Twitter. Nesta terça, o ministro negou que esteja protagonizando uma crise no governo Bolsonaro e disse que trocou mensagens sobre o caso com o presidente. 

A manifestação pública do filho do presidente reforça um cenário de desgaste do ministro, que enfrentou críticas internas após revelações do caso de candidatas laranjas do PSL nas eleições de 2018, quando ele era presidente interino do partido. 

A pressão de Bolsonaro levou Bebianno a cancelar agendas, e aliados do presidente têm dito extraoficialmente esperar que ele peça para sair do governo.

Nesta quarta (13), a Folha de S.Paulo revelou que Bebianno liberou R$ 250 mil de verba pública para a campanha de uma ex-assessora, que repassou parte do dinheiro para uma gráfica registrada em endereço de fachada -sem maquinário para impressões em massa.

Anteriormente, após a Folha de S.Paulo revelar a suspeita sobre candidatura laranja em Pernambuco, Luciano Bivar, fundador do PSL e atual presidente da legenda, disse que a decisão de repasse de dinheiro para ela era do então presidente nacional do partido -no caso, Bebianno.

Na terça (12), a notícia publicada pelo jornal O Estado de S. Paulo de que Bebianno levaria dois ministros para discutir obras na região amazônica também desagradou Bolsonaro, que determinou o cancelamento da viagem que ocorreria nesta quarta (13).

Oficialmente, Bebianno disse que a ida foi suspensa porque o presidente pediu que todos os ministros estivessem em Brasília no dia de sua saída do hospital, onde esteve internado desde 27 de janeiro para passar por uma cirurgia.

Por determinação de Bolsonaro, o ministro também cancelou agendas como uma reunião com o vice-presidente de Relações Institucionais da Rede Globo, emissora vista pelo núcleo familiar do presidente como hostil ao governo. 

Bebianno disse à Folha de S.Paulo na terça que estava tranquilo e negou envolvimento com candidaturas laranjas do PSL -ele comandou interinamente o PSL entre janeiro e outubro de 2018.

"A minha parte está feita com perfeição. As contas foram aprovadas pelo TSE", disse.

Da Redação
redacao@cidadeverde.com

Imprimir