Cidadeverde.com
Geral

CREA diz que não há risco de colapso geral em viaduto

Imprimir
  • viaduto7.jpg Letícia Santos
  • viaduto6.jpg Letícia Santos
  • viaduto5.jpg Letícia Santos
  • viaduto4.jpg Letícia Santos
  • viaduto3.jpg Letícia Santos
  • viaduto2.jpg Letícia Santos
  • viaduto1.jpg Letícia Santos

O Conselho Regional de Engenharia e Agronomia do Piauí (CREA-PI) informou, nesta quarta-feira (15), que o viaduto da avenida Miguel Rosa não corre risco de colapso geral. Uma equipe do órgão esteve no local hoje pela manhã para averiguar os problemas de perto.

Segundo o CREA, os engenheiros constaram patologia na ligação entre a estrutura de aço e a estrutura de concreto armado no lado norte do viaduto, ocasionando um desplacamento da camada de concreto com a consequente exposição da armadura superficial. Esse processo, segundo o Conselho, não afeta a estrutura do viaduto.

Confira nota do CREA na íntegra:

O Conselho Regional de Engenharia e Agronomia do Piauí (CREA-PI) informa que tomou conhecimento sobre os problemas encontrados na estrutura do viaduto da Avenida Miguel Rosa (zona sul de Teresina). 

Na manhã desta quarta-feira (15), uma equipe de engenheiros especialistas deste Conselho averiguou a situação e constatou patologia na ligação entre a estrutura de aço e a estrutura de concreto armado (no lado norte do viaduto), ocasionando um desplacamento da camada de concreto com a consequente exposição da armadura superficial. Segundo os especialistas, não há risco de colapso geral do viaduto. 

O CREA-PI reafirma seu compromisso na orientação, fiscalização e valorização do aperfeiçoamento do exercício profissional, promovendo a melhoria da segurança e da qualidade de vida da sociedade.


O problema veio à tona após um vídeo viralizar nas redes sociais mostrando as rachaduras e o desplacamento do concreto. O viaduto chegou a ser interditado na noite de ontem para que o Corpo de Bombeiros fizesse uma vistoria.

O Departamento de Estradas de Rodagem do Piauí (DER) informou ainda ontem que os problemas encontrados na estrutura do elevado da Avenida Miguel Rosa foram levados ao conhecimento da Construtora Sucesso, empresa responsável pela obra.

Hérlon Moraes
herlonmoraes@cidadeverde.com

Imprimir