Cidadeverde.com
Viver Bem

Escolas recebem ações de combate ao câncer infantojuvenil no Setembro Dourado

Imprimir

Fotos: Ascom RFCC

Com ludicidade, sensibilidade e seriedade, a Rede Feminina de Combate ao Câncer do Piauí (RFCC-PI) promove durante todo esse mês a campanha Setembro Dourado, que faz alerta sobre os sinais, sintomas e diagnóstico precoce como fator fundamental para o combate ao câncer infantojuvenil. Com a peça de teatro “Sinais”, que ganha vida com a interpretação de cinco atores, além de palestra com especialista que explica sobre as principais características da doença, a campanha apresenta discussões importantes sobre o tema.

Reunindo pessoas sensibilizadas com a promoção da saúde e engajadas na garantia do bem-estar de crianças e adolescentes, a mensagem da campanha foi repassada de forma positiva. Despertando o interesse e a curiosidade dos alunos, professores e colaboradores, a RFCC-PI planejou as ações de forma mais lúdica para abordar uma temática séria e de interesse social. A pediatra Caroline Paranhos esteve nos encontros realizando palestras sobre o assunto.

“Durante todo esse mês estivemos e estaremos nas escolas para dizer aos responsáveis e cuidadores quais são esses sinais e sintomas para que possam ligar o sinal de alerta e encaminhar para o tratamento necessário. Sempre reforçamos nesses encontros que não tem prevenção, mas podemos combater com o diagnóstico precoce, que começa com aqueles que estão convivendo com as crianças. O percentual é 70% de cura para uma doença que muitos acham incurável”, explica a pediatra.

Os encontros são fundamentais para frisar alguns dos sintomas da doença, como dor de cabeça intensa e recorrente, reflexo branco em um dos olhos ou estrabismo adquirido, além de pontuar as formas de tratamento. O alerta, também, é para os dados que apontam que só no Brasil cerca de 12 mil crianças são diagnósticas com o problema de saúde. Camila Paixão é mãe do pequeno Pedro Henrique, que estuda no Sesc- Centro Educacional José Alves de Sousa Neto (Ilhotas), uma das escolas que recebeu a ação.

Ela pontua que ficar atenta a qualquer sinal diferente é necessário e reforça que o filho é um dos mais interessados. “Ele queria ficar brincando, mas o trouxe porque será o primeiro a me dar qualquer sinal de alerta. Então, de imediato me propus a vir porque quero adquirir essas informações. Caso aconteça na minha família já vou conseguir fazer esse diagnóstico precoce”, compreende Camila.

A voluntária Tânia Cardoso, coordenadora do Projeto Alertar, reconhece que os momentos são imprescindíveis para a manutenção de uma saúde de qualidade. “Para este ano foi pensado passar para os pais e professores esses sintomas e sinais de uma maneira mais lúdica, já que falar sobre câncer não é fácil, por isso trouxemos a peça. Tivemos muitas visitas, encontros muito importantes para fechar o mês de forma proveitosa”, declara a voluntária.

Sandra Loiola, diretora do espetáculo “Sinais”, explica que a partir de pesquisa sobre o assunto, a ideia é informar sobre os sintomas dos tipos de câncer mais comuns nessa fase da vida. “Leucemia e câncer de olho, por exemplo, são frequentes nessa idade. Procuramos entender sobre a área da oncologia e assistência social nesse processo. Estivemos dentro do Lar de Maria com os pais, familiares e as crianças realizando terapia, tudo isso para vermos como cada família identificou esses sinais e quais dificuldades tiveram. Precisamos entender que uma dor de cabeça ou fraqueza merecem atenção”, conta a diretora e também terapeuta comunitária.

Capacitações para profissionais da saúde

Além das visitas a escolas e empresas, a RFCC-PI também tem realizado como extensão da Campanha, encontros de capacitações para profissionais da área da saúde na Casa de Apoio à Criança com Câncer – Lar de Maria. Nas reuniões, conduzidas pelo pediatra Dáyrton Moreira, os profissionais compreendem quais os sinais e sintomas da doença, para assim realizar os encaminhamentos adequados para o melhor tratamento. Tudo isso, contribuindo efetivamente para aumento das chances de cura e sobrevida dos pacientes.

Espaço para troca de conhecimentos, a pediatra Carla Almeida esteve presente em um dos encontros e reconhece a importância da discussão. “Diagnosticar precocemente é fundamental, porque a criança tem uma chance maior de cura e, dessa forma, impede que o caso se torne muito grave. É uma iniciativa muito interessante da Rede Feminina, porque aborda médicos de diferentes especialidades, não somente da pediatria”, frisa.

Encerramento das ações locais

Esta semana as ações da Campanha seguem com força total, para encerrar esse ciclo de atividades importantes no combate ao câncer. Quem já recebeu as visitas foram a Unidade Escolar Afonso Mafrense (Mafrense) e U.E Professora Helena Carvalho (Memorare). A campanha também visitou as escolas municipais Bezerra de Menezes (Acarapé) e José Nelson de Carvalho (Alvorada), o Sesc – Centro Educacional Professor Marcílio Rangel (Marquês) e a Fundação Bradesco.

Com a campanha, o intuito é reduzir a taxa de mortalidade nessa faixa etária, frisando a relevância do diagnóstico precoce e tratamento adequado para o aumento das chances de cura. A ação é idealizada nacionalmente pela Confederação Nacional das Instituições de Apoio e Assistência à Criança e ao Adolescente com Câncer (CONIAC) e fortalecida por 54 filiadas, entre elas, a RFCC-PI, responsável localmente pelas ações. Neste ano, o tema foi “A Luz que vem do cuidar”.

Carmen Campelo é presidente da RFCC-PI e reforça que a preocupação com a saúde das crianças e adolescentes deve ser constante, já que os sinais podem passar despercebidos. “Nossa entidade é ativa na promoção de saúde e bem-estar para os pacientes oncológicos, por isso essa campanha tem grande relevância. Ela fomenta uma série de ações e dissemina informações essenciais para garantir o diagnóstico precoce e, dessa forma, aumentar as chances de cura e sobrevida. É imprescindível nos informarmos sempre e partilhar desse aprendizado com a sociedade”, declara a presidente.

 

[email protected]

Imprimir