Cidadeverde.com
Últimas

Suspeito de atropelar namorada e matar amiga tinha denúncia por violência doméstica

Imprimir

  Foto: Roberta Aline

O Núcleo de Feminicídio do Departamento de Homicídio e Proteção à Pessoa (DHPP) irá investigar a morte da enfermeira Vanessa Carvalho, 27 anos. A jovem morreu ao ser atropelada supostamente pelo namorado da amiga, Anuxa Alencar, após uma festa de casamento em Teresina na noite do último sábado (28).  

As investigações revelam que Pablo Henrique Campos Santos já foi denunciado por violência doméstica em 2017 por outra mulher. Inclusive, a justiça determinou medida protetiva para a vítima.  Além do registro de violência doméstica, em 2012 e 2016 Pablo foi atuado por crimes de trânsito. 

As informações são da delegada Luana Alves, titular do Núcleo de Feminicídio do DHPP. A delegada adiantou ao Cidadeverde.com que irá colher depoimento de Anuxa Alencar. A namorada de Pablo também foi atropelada e está internada no Hospital de Urgência de Teresina. A jovem sofreu um traumatismo craniano leve e ferimentos no fêmur. 

A delegada Luana Alves não exclui a possibilidade de Pablo ter tido a intenção de matar a namorada Anuxa e a amiga, Vanessa.  As investigação seguirão a linha de feminicídio consumado  e feminicídio tentado. 

"Vamos seguir as investigações não excluindo a possibilidade da intenção dele, da  conduta criminosa ser direcionada também às duas vitimas, não só à Anuxa [ namorada]. Não descartar a possibilidade de não ser apenas um erro  de execução, mas também vislumbrar a possibilidade dele ter intencionado matar as duas meninas. Não é uma possibilidade a ser descartada. O feminicídio não é só um crime de violência doméstica, é um crime em razão do sexo feminino. Desprezo à condição de mulher", defende a delegada Luana. 

O Núcleo de Feminicídio já iniciou as investigações e vai coletar imagens de câmeras de segurança da rua onde as mulheres foram atropeladas.

Empresário não cumpriu medida cautelar por violência contra ex-namorada, diz advogada de Vanessa

Segundo a advogada de acusação, a violência contra Anuxa será considerado como tentativa de feminicídio.

"Foi uma decisão muito acertada por parte do juiz. Um caso como esse de repercussão geral em que há um feminicídio e um feminicídio tentado em que uma jovem de 27 anos teve a vida perdida e outra de 34 anos está internada no HUT. Isso também vai ser levado em consideração quando ele for a julgamento. Ele vai ser levado ao Tribunal do Júri. Vamos aguardar as investigações. Esse momento é muito generoso", disse Kemilly Miranda.

Prima de Vanessa, a advogada Kemilly Miranda, deu assistência aos advogados de acusação. Segundo ela, o empresário já respondia por crimes de violência contra a mulher. "Ele já respondia por outros processos de violência familiar. Chegou a ser indiciado a cumprir medidas cautelares por violentar um outra moça e não cumpriu", afirma.

A família relata que Vanessa procurava amparar a amiga Anuxa que estaria em um relacionamento abusivo. 

A existência de uma outra denúncia envolvendo Pablo foi um fator crucial para a manutenção da prisão, decretada pelo juiz Valdemir Ferreira dos Santos, em audiência de custódia nesta segunda-feira (30).

Foto: Reprodução Facebook Vanessa Carvalho

                                                                              Vanessa foi atropelada e morreu

Foto: Reprodução Facebook Vanessa Carvalho

                                                                                         Anuxa teve fratura no fêmur e permanece internada

Izabella Pimentel e Valmir Macêdo
[email protected] 

Imprimir