Cidadeverde.com
Política

No Piauí, Roberto Jefferson critica decisão do Supremo e defende novas regras eleitorais

Imprimir
  • ptb-16.jpg Roberta Aline / Cidade Verde
  • ptb-15.jpg Roberta Aline / Cidade Verde
  • ptb-14.jpg Roberta Aline / Cidade Verde
  • ptb-13.jpg Roberta Aline / Cidade Verde
  • ptb-12.jpg Roberta Aline / Cidade Verde
  • ptb-11.jpg Roberta Aline / Cidade Verde
  • ptb-10.jpg Roberta Aline / Cidade Verde
  • ptb-9.jpg Roberta Aline / Cidade Verde
  • ptb-8.jpg Roberta Aline / Cidade Verde
  • ptb-7.jpg Roberta Aline / Cidade Verde
  • ptb-6.jpg Roberta Aline / Cidade Verde
  • ptb-5.jpg Roberta Aline / Cidade Verde
  • ptb-4.jpg Roberta Aline / Cidade Verde
  • ptb-3.jpg Roberta Aline / Cidade Verde
  • ptb-2.jpg Roberta Aline / Cidade Verde
  • ptb.jpg Roberta Aline / Cidade Verde

O presidente nacional do PTB, deputado Roberto Jefferson, participa de festival de filiações realizado pelo partido nesta sexta-feira (08), em Teresina, e no interior do estado no final de semana. Durante o evento, o centro das atenções foi a possibilidade do ex-senador,, João Vicente Claudino ser candidato a governador. A ideia divide a legenda.  Uma parte do PTB defende que ele saia candidato a prefeito de Teresina e outra diz que o melhor é se preparar para a disputa de governador em 2020.

Roberto Jefferson afirma que a direção nacional acompanha as discussões, mas vai acatar qualquer decisão que for tomada por João Vicente. O ex-senador faz um trabalho de reconstrução do partido para a eleição de 2020.

“Na época em que o João Vicente presidiu o PTB,  elegemos 75 prefeitos. Vamos voltar a essa época de sucesso. É um grande líder e um grande gestor e vamos voltar ao brilho como no passado. Há um grupo que quer que ele sai candidato a prefeito. Mas há outro que grupo que deseja ter João Vicente governador. Vamos apoiar qualquer decisão que ele tomar”, disse Jerfferson. 

João Vicente Claudino afirma que vai analisar o cenário para tomar uma decisão sobre 2020. O prefeito Firmino Filho e outras lideranças do PSDB não descartam ter o ex-senador como o candidato do grupo político tucano. 

“Tive uma conversa com o Roberto Jeffersson e ele entende as possibilidades do partido. Nunca planejei uma disputa municipal, mas o político não é dono de suas decisões. Quem decide é o povo. Se tiver o chamamento do povo iremos atender. O momento não é agora, apenas em abril de 2020. Fico lisonjeado. O prefeito Firmino é um político que respeito. Caminhamos em diversos momentos juntos. Vamos esperar. Vamos caminhar. Quando se abrir e fechar as janelas políticas, vamos saber o quadro político. Temos caminhado, ouvido o Piauí, estimulado e motivado as lideranças políticas. Temos no PTB esse canal e preparação para 2020. Não queremos abraçar de um dia para outro os 224 municípios. Vamos fazer com calma e prudência”, afirmou. 

A deputada Jannaína Marques defende o nome de João Vicente Claudino para a eleição de 2022. Ela quer o ex-senador concorrendo a governador do Piauí.

“Sem dúvida nenhuma em uma eleição estadual. O senador João Vicente que já foi um grande senador da República, que sempre defendeu e representou o Piauí. É um nome limpo e de honestidade, nome que é apaixonado pelo Piauí e os piauienses. Não temos dúvidas da capacidade dele a nível de estado.  Estamos fortalecendo os partidos e reconstruindo o PTB para que possamos nos preparar para 2022”, destacou. 

Regra eleitoral

Roberto Jeffersson também falou sobre o fim das coligações proporcionais para a eleição de 2020. 
“Temos que formar grupos com o preenchimento de toda a chapa de candidatos a vereador. Temos que ter gente do nosso partido, identificada com o PTB para podermos preencher o que antigamente se fazia com coligação. Nossa gente vai sair candidata a vereador. Temos valores para isso. É bom que os partidos passam a ter mais identidade.  Vamos com o nosso sangue, com a nossa gente. Eu gostei. Acaba com esse negócio de barganha de coligação”, disse.

Supremo

Sobre a decisão do Supremo que derruba a prisão em segunda instância, Jefferson diz que favorece os ricos e mantém os pobres na cadeia. 

“Acabando com a prisão em segunda instância, se mantém o pobre na cadeia e o rico e o poderoso ficarão impunes.  Achei que foi uma decisão equivocada. É prisão para pobre e liberdade para rico”, afirmou. 

Imprimir