Cidadeverde.com
Geral

Carteira de identificação autista vai servir como censo para população no Piauí, diz secretário

Imprimir

Fotos: Valmir Macêdo/Cidadeverde.com

Garoto mostra sua carteira de identificação em evento no Palácio de Karnak.

A carteira de identificação para pessoas autitas foi lançada nesta segunda-feira (2) no Palácio de Karnak. A proposta estadual é efetivada em lei antes da medida nacional, que ainda tramita no Congresso. 

O secretário de Inclusão da Pessoa com Deficiência, Mauro Eduardo, aponta que o documento vai beneficiar os autistas piauienses no atendimento à saúde, efetivação de matrículas escolares e até no acesso à banheiros para pessoas com deficiência. O governo acredita que a identificação ainda vai poder nortear políticas públicas. 

"Um documento que vai identificá-los, que vai trazer cidadania, que vai trazer mais respeito. As pessoas com autismo muitas vezes fisicamente não aparentam essa necessidade, a carteira vai trazer essa possibilidade de identificar. A partir de hoje estaremos emitindo esse documento que vai nos possibilitar também ter dados concretos sobre a nossa população ", afirmou o secretário. 

Presente no lançamento, a deputada federal Rejane Dias (PT) acredita que o projeto não traz um privilégio mas uma necessidade para as famílias de autistas. "São pessoas que muitas vezes não entendem o porque de esperar numa fila, ficam impacientes, muitas chegam até a morder. É uma questão de necessidade", disse. 

A proposta na Alepi foi de autoria do deputado Fernando Monteiro (PRTB), que encontra-se com problemas de saúde. A família do parlamentar o representou na cerimônia de implementação com a lei. 

Nesta terça-feira (3) será celebrado o dia Internacional da Pessoa com Deficiência. Os autistas e familiares podem procurar a Seid para a emissão do documento. 

Banco de dados

Segundo o secretário Mário Eduardo, o governo está elaborando um sistema na Agência Tecnologia da Informação (Ati) para reunir as informações sobre a população com deficiência. Com os dados, o governo pretende ter informações importantes como idade e a distribuição geográfica dessa população no estado.

Leia também: Mães lutam para garantir educação inclusiva a filhos autistas

Valmir Macêdo
[email protected]

Imprimir