Cidadeverde.com
Política

Em mensagem, Firmino Filho faz balanço dos quatro anos e diz que saúde é gargalo na gestão

Imprimir
  • 20200204102214_IMG_2250.jpg Roberta Aline/Cidadeverde.com
  • 20200204102134_IMG_2241.jpg Roberta Aline/Cidadeverde.com
  • 20200204101105_IMG_2197.jpg Roberta Aline/Cidadeverde.com
  • 20200204101102_IMG_2195.jpg Roberta Aline/Cidadeverde.com
  • 20200204100959_IMG_2190.jpg Roberta Aline/Cidadeverde.com
  • 20200204100934_IMG_2175.jpg Roberta Aline/Cidadeverde.com
  • 20200204100904_IMG_2169.jpg Roberta Aline/Cidadeverde.com
  • 20200204100845_IMG_2164.jpg Roberta Aline/Cidadeverde.com
  • 20200204100824_IMG_2158.jpg Roberta Aline/Cidadeverde.com
  • 20200204100802_IMG_2153.jpg Roberta Aline/Cidadeverde.com
  • 20200204100706_IMG_2148.jpg Roberta Aline/Cidadeverde.com
  • 20200204100633_IMG_2145.jpg Roberta Aline/Cidadeverde.com
  • 20200204100620_IMG_2142.jpg Roberta Aline/Cidadeverde.com
  • 20200204100450_IMG_2125.jpg Roberta Aline/Cidadeverde.com
  • 20200204100431_IMG_2113.jpg Roberta Aline/Cidadeverde.com
  • 20200204093741_IMG_2020.jpg Roberta Aline/Cidadeverde.com
  • 20200204093735_IMG_2015.jpg Roberta Aline/Cidadeverde.com
  • 20200204093507_IMG_1972.jpg Roberta Aline/Cidadeverde.com
  • 20200204092059_IMG_1907.jpg Roberta Aline/Cidadeverde.com

Atualizada às 11h

Durante a abertura do ano legislativo na Câmara, o prefeito Firmino Filho (PSDB) fez a leitura da tradicional mensagem de abertura do Ano Legislativo Municipal de Teresina, nesta terça-feira(04). Firmino fez uma contextualização entre os quatro mandatos como prefeito e diz que saúde poderia ter melhores resultados como a educação, se não tivesse que "arcar com .

Ele falou à base aliada sobre continuar o modelo de gestão tucano. Sem se referir diretamente à sucessão estadual, Firmino defendeu a continuidade do grupo tucano na Prefeitura. Veja mensagem na íntegra

"Nesse ano de 2020 teremos nosso último ano à frente da Prefeitura. Iniciamos nossa despedida. Momento de relembrar a caminhada política e administrativa. Cheguei na Prefeitura a convite de um professor de História, com ele aprendi lições da gestão pública e a paixão e compromisso por Teresina. Tivemos na sequência, a missão de representar esse grupo político em 1996. Aquela eleição foi atípica. Junto com nossos companheiros, servidores, lideranças, construímos uma bela caminhada. Ao longo do tempo o povo de Teresina reafirmou a confiança na nossa forma de fazer gestão. Buscamos continuar o modelo e fazer inovações. Fizemos programas como Vila Bairro, Morar Melhor, Prefeito Criança, entre outros. Em 2012, a cidade mais uma vez nos deu um voto de confiança. E em 2016, mais uma vez recebemos o voto de Teresina. Nossa absoluta gratidão pela generosidade e bondade do povo de Teresina. Essa dívida que temos com Teresina é impagável. Em cada momento das nossas gestões, buscamos honrar essa dívida. Buscamos acordar cedo e trabalhar. Em cada setor da cidade buscamos deixar testemunho de trabalho e solidariedade. Buscamos continuar esse modelo de gestão que trabalha com conhecimento técnico e respeitando as pessoas. 2020 é de despedida, mas também de gratidão. Vamos prestar conta do que foi feito. Aqui falamos do que foi feito, em 2019, o que vai ser feito em 2020, e do que vamos deixar para 2021 e 2022”, destacou Firmino Filho.

O prefeito apresentou o desempenho da gestão em áreas como a saúde. Segundo ele, 60% dos atendimentos são de pacientes de outras cidades.

"Na saúde passamos pelo maior volume de investimentos. Construímos UBSs, hospitais e UPAS. A prefeitura tem 90 UBSs. Durante nosso mandato, 80 foram construídas do zero ou reformadas. Temos algumas construídas que não foram inauguradas ainda. Tivemos conclusão de UPAS. Reformamos a sede do Samu e os hospitais. É importante que possamos compreender o que ocorre com a saúde de Teresina. Em Teresina, 60% dos atendimentos são de outros municípios. Esse crescimento da rede não tem paralelo com nenhuma capital do Brasil. Esse crescimento teve consequências na nossa despesa. Nesse gráfico podemos perceber o compromisso com a saúde. Municípios devem gastar 15% da receita com saúde, no caso de Teresina, esses gastos chegam a 34,7%. Não existe nenhuma outra capital que tenha rede extensa e compromisso com a saúde. Isso é fundamental para o presente e futuro", disse.

Firmino afirma que se Teresina não precisasse atender pacientes do estado, a saúde da capital teria bons resultados como a educação.

"Teresina passou a sofrer de seleção adversa. O Hospital que funciona não é o vazio, mas o cheio. Passamos a atrair pacientes de outros municípios. Da falta de crescimento desse serviço, passamos a arcar com a grande parte da saúde do Piauí. Não só na urgência e emergência. Entra também cirurgias, média e alta complexidade. Se usássemos só para Teresina, teríamos os mesmos resultados da educação. Teresina perde porque grandes recursos vão para a saúde. Seriam recursos para obras, galerias, reajuste do servidor, são dispendidas para atender pacientes do estado", disse.

Na área da educação, o prefeito elegeu dois desafios para o final da gestão. O primeiro é construir mais creches e o segundo é construir mais escolas de tempo integral.

"Tivemos as construções de creches. Isso atende nossa necessidade de investimentos na estrutura. Temos o desafio de universalizar o ensino infantil. Temos uma rede extensão. No total temos 310 unidades de educação. São quase 90 mil crianças. Nosso desafio em crescimento e oferta é com a creche. No ensino fundamental preciso construir escolas já estruturadas para o tempo integral. Vamos inaugurar creches e buscamos recursos do governo federal e recursos de bancos internacionais. Essas escolas terão padrão completo. Nosso desafio são as creches e escolas de tempo integral", afirmou.

Momento de despedida

O prefeito Firmino Filho (PSDB) já está na Câmara Municipal de Teresina para abertura do Ano Legislativo. O líder tucano chegou à Casa acompanhado de quatro pré-candidatos a prefeito.

Ao lado do secretário Municipal de Educação, Kleber Montezuma, do secretário de Desenvolvimento Urbano, Marcos Antônio Ayres, do secretário de Governo, Fernando Said e do presidente da Fundação de Saúde, Charles da Silveira, Firmino falou de despedida do cargo. Ele chega ao quarto mandato de prefeito, o segundo consecutivo, e não poderá concorrer á reeleição.

"Basicamente é um discurso de despedida. Último e relembramos nossa caminhada na cidade. Isso tanto de forma administrativa, quanto política. Agradecemos Teresina pela generosidade com que nos trata. Nosso sentimento é de gratidão. Damos adeus e até logo. Depende do que Deus mandar. Nossa vida pública foi uma trajetória junto com a cidade de Teresina.  O débito que temos com Teresina é infinito e impagável. Na nossa vida buscamos resgatar um pouco dessa divida", destacou.

Sobre o futuro político, o prefeito não descarta ser candidato a governador em 2022.

"Pode ser que sim. Essa despedida da cidade é definitiva. Podemos continuar na vida pública. Estou com 56 anos. Até 60 anos ainda podemos disputar uma eleição majoritária grande. A partir dai fica mais complicado. Pelas regras da reforma da Previdência, quando chegar nos 60 posso me aposentar. Minha vida útil começa a se esgotar. É hora do pessoal mais jovem ter espaço", destacou.

Entre as áreas de destaque na gestão, o prefeito focou na educação. Segundo ele, é a "joia da coroa". 

"Nossa joia da coroa é a educação. Entendemos a importância da educação como instrumento de transformação econômica. É um grande instrumento de Justiça. Teresina construiu um modelo de gestão que se destaca nacionalmente. Temos o segundo menor custo por aluno com os melhores resultados", afirmou.

Firmino falou sobre os critérios que observa para escolher o candidato a prefeito. Ele disse que vai ouvir a base e todos os aliados. 

"Tudo influência. Na realidade buscamos um nome que represente esse modelo de gestão. O nome vai ser escolhido dentro dessa perspectiva. Nosso método de escolha é o mesmo de 2004. Todas as opiniões são ouvidas", destacou. 

Apesar da pressão, o prefeito disse não ter preocupação com prazos.

"Em 2004 a escolha foi de março. Não teve desgaste. Não existe preocupação com prazo. Em 2004 tinha o bloco do Kleber e outro do Silvio. Nem chegamos no Carnaval. Tem vários blocos, alguns até na rua já estão", destacou. 

 

Flash Lídia Brito
[email protected]

Imprimir