Cidadeverde.com
Destaques da TV/Rádio

Coronavírus: oncologista orienta que pacientes devem adiar consultas eletivas

Imprimir

Pacientes oncológicos estão entre as pessoas mais suscetíveis a contraírem o novo coronavírus, assim como idosos e bebês. Em entrevista ao Notícia da Manhã, desta sexta-feira (13), o médico Sabas Carlos explica que, inclusive, a Sociedade Brasileira de Oncologia Clínica (SBOC) emitiu comunicado para médicos oncologistas de todo o país. 

"A primeira coisa é não entrar em pânico. Para pacientes com menos de 50 anos, a mortalidade, no momento, é em torno de 0,2%. O paciente oncológico tem uma baixa da imunidade seja pela doença, uso da quimioterapia, radioterapia, pela desnutrição que acompanha o paciente que tem diagnóstico de câncer", explica o médico. 

O especialista ressalta que há orientação para que sejam adiadas consultas eletivas de pacientes oncológicos.

"Estamos recomendando que esses pacientes aguardem um pouco porque atrasar esse acompanhamento em um ou dois meses para pacientes que estão completamente assintomáticos não vai trazer repercussão e evita ele de circular em clínicas e consultórios", disse o médico

Sabas diz que as recomendações para os pacientes oncológicos são as mesmas para a população em geral. 

"Evitar aglomerações, lavar as mãos de forma adequada, mudar a forma de se cumprimentar, de espirrar, evitar viajar . Para os doentes que estão em acompanhamento oncológico, que já terminaram o tratamento e estão usando apenas imunoterapia ou medicação oral, o risco para essa população é praticamente igual ao da população em geral. É importante não entrar em pânico, mas tomar medidas de proteção individual e coletiva", reitera Carlos. 

Para pacientes assintomáticos, o médico diz que o tratamento oncológico deve ser mantido. 

"Todos os pacientes tem nossos celulares. Quem tiver qualquer sintoma, entre em contato com seu médico que ele vai dar todas as orientações necessárias. Apesar da imunidade está baixa não significa dizer que se ele tiver contato com o vírus vai ter uma doença fatal", conclui Sabas Carlos. 


Graciane Sousa
[email protected]

Imprimir