Cidadeverde.com
Esporte

Burnley critica utilização de avião que sobrevoou estádio com frase racista

Imprimir

Um avião com a mensagem "White Lives Matter Burnley" (Vidas Brancas Importam Burnley) sobrevoou o estádio do Manchester City, antes do início da partida contra o Burnley, válida pela 30.ª rodada do Campeonato Inglês, na última segunda-feira. A frase é uma clara ironia ao movimento "Black Lives Matter" (Vidas Negras Importam), acolhido pela Premier League e que tem tomado as ruas de Londres nas últimas semanas, como reflexo dos protestos norte-americanos, após o assassinato do segurança norte-americano George Floyd.

O Burnley, equipe cujo nome estava escrito na faixa, afirmou que trabalha junto às autoridades para identificar os responsáveis pelo voo. Segundo o clube inglês, os dizeres da faixa são incompatíveis com os seus ideais.

"Isso não condiz, de forma alguma, com o que o Burnley Football Club representa e trabalharemos em conjunto com as autoridades para identificar os responsáveis e emitir proibições vitalícias. Pedimos desculpas sem reservas à Premier League, ao Manchester City e a todos aqueles que ajudam a promover o 'Black Lives Matter'. Queremos deixar claro que os responsáveis não são bem-vindos em Turf Moor", disse a equipe, em um comunicado oficial.

Bem Mee, capitão do Burnley, afirmou, após a partida, que ficou envergonhado com ocorrido e responsabilizou uma pequena parcela da torcida pelo ato. Segundo ele, esses torcedores precisam entender que vivem no século XXI.

"Estou envergonhado com a atitude tomada por um pequeno número de nossos torcedores. Eles não entenderam o movimento que nós apoiamos e isso não representa o clube, os jogadores e a maior parte dos fãs. Acho que essas pessoas precisam chegar ao século XXI e se educar. Estou muito triste com isso", disse Mee.

Ao invés de utilizarem o nome dos jogadores nas costas, as equipes do Campeonato Inglês adotaram a frase "Black Lives Matter". A proposta da liga foi adotada por todos os 20 clubes que disputam a primeira divisão inglesa.

Fonte: Estadão Conteúdo

Imprimir