Cidadeverde.com
Cidades

Monitorar pacientes e busca ativa zerou casos da covid, diz prefeito de Vila Nova do Piauí

Imprimir

 

O prefeito da primeira cidade piauiense a zerar o número de casos da Covid-19, sem registrar mortes, ressalta que a ação mais importante para barrar a transmissão do novo coronavírus foi o acompanhamento sistemático de todos os pacientes com a doença, além da busca ativa de pacientes suspeitos, diz o gestor Edilson Brito. 

A cidade de Vila Nova do Piauí possui cerca de 3 mil habitantes e chegou a contabilizar 40 pessoas contaminadas, ou seja, 1,3% da população local. Hoje, a cidade não apresenta casos suspeitos desde a última terça-feira (7). 

"Monitorar as pessoas e o isolamento dessas durante 10 dias.  Depois, passar pela testagem do teste rápido. Quando a pessoa fazia o teste rápido e dava inconclusivo, a gente levava essa pessoa até um laboratório particular na cidade de Picos e fazia  o reteste para confirmar se a pessoa realmente tinha ou não o vírus", conta o prefeito Edilson Brito. 

O prefeito também relatou que todos os profissionais da área da saúde passaram pelo teste rápido, além dos comerciantes da cidade. 

Outra ação adotada foi o lockdown na última semana do mês de junho, permanecendo aberto apenas as farmácias e os serviços de vigilância.   O prefeito promete não relaxar diante do resultado positivo.

"Vamos continuar, vamos seguir todos os decretos do Governo do Estado, e vamos dar continuidade da Busca Ativa, testando as pessoas que forem suspeitas, e fazer (novas) ações. Vamos fazer agora (os testes) dos açougueiros da cidade, os frentistas dos postos de gasolina, para poder ter a certeza que essas pessoas estão imunes ou não".

Agora, a grande preocupação das autoridades públicas é o efeito bumerangue, que é o aumento repentino de casos confirmados da doença, como tem ocorrido em muitos lugares em função da flexibilização das atividades econômicas.  O Piauí já tem quase 30 mil casos confirmados da Covid-19 e 884 vidas perdidas para a doença. 

 

Carlienne Carpaso
[email protected] 

Imprimir