Cidadeverde.com
Esporte

Figueirense é acusado de assédio depois de negociar com atacante do Remo

Imprimir

O Remo acusa o Figueirense de assediar o atacante Tcharlles, que vem forçando uma saída do clube de Belém para jogar a Série B do Campeonato Brasileiro.

O time paraense estuda acionar a CBF sobre o caso. Segundo o presidente Fábio Bentes, ninguém da agremiação foi contatado e a negociação vem ocorrendo diretamente com o jogador.

Tcharlles, de 28 anos, tem contrato com o Remo até o final deste ano e já poderia assinar um pré-contrato com qualquer clube do futebol brasileiro. Ele atuou em oito partidas e marcou um gol. De acordo com o presidente, o interesse do Figueirense no atleta começou no último dia 10 e existe uma pressão pela saída sem o pagamento da multa rescisória.

"Antes da viagem para Campina Grande (PB), o atleta nos procurou dizendo que havia sido procurado pelo Figueirense e que recebeu uma proposta para ir pra lá. Já começou errado, pois o certo é o clube procurar o outro clube e começar a liberar a saída, a liberação, a questão contratual. O jogador se mostrou interessado pela visibilidade que teria jogando num clube de Série B e a orientação é que ele entrasse em contato com o Figueirense, mas aconteceu o caminho inverso", disse Bentes.

O mandatário ainda revelou ter tentado entrar em contato com o Figueirense, mas sem sucesso. "Eles passaram a não nos atender mais. Isso além de antiético é ilegal, pois assédio a atletas que têm vínculo tem penalidade prevista inclusive desportiva. E, somente ontem (quarta-feira) à noite, conseguimos falar com alguém do clube, que disse não ser ele o autor dos assédios. O fato é que aconteceu, mexeu com o jogador e estamos estudando medidas que possam ser adotadas", completou.

Bentes ainda deixou claro que o Figueirense chegou a oferecer alguns jogadores em troca, negociação que foi negada pelo presidente do Remo. "Eles tentaram ponderar, ofereceram jogador e a gente não quis. Queremos ou pagamento da multa ou a permanência do jogador. Eles agradeceram, mas continuaram a assediar o jogador, pois o próprio disse que foi procurado pela terceira vez", concluiu.

Fonte: Estadão Conteúdo

Imprimir