Cidadeverde.com
Esporte

Fora da Libertadores, São Paulo goleia Binacional e vai disputar a Sul-Americana

Imprimir

A despedida do São Paulo da Copa Libertadores foi com goleada e a consequente classificação à segunda fase da Sul-Americana como consolação. Nesta terça-feira, diante do frágil Binacional, do Peru, o derrotou por 5 a 1, pela rodada final do Grupo D, mesmo sem forçar o ritmo ou apresentar um futebol vistoso.

O jogo ao menos pode ter servido para dar alguma confiança a reservas escalados por Fernando Diniz no São Paulo, pois três deles marcaram gols na fácil vitória - Vitor Bueno, Pablo, duas vezes, e Arboleda -, com Brenner fazendo o outro. Além disso, o time completou o sexto jogo seguido sem derrota.

O resultado deixou o São Paulo na terceira colocação da chave, com sete pontos, atrás de River Plate e LDU, que haviam se classificado antecipadamente às oitavas de final da Libertadores Já o Binacional foi o lanterna da chave, com apenas três pontos, somados exatamente diante da equipe paulista. E com um saldo negativo de 22 gols.

Na Sul-Americana, o São Paulo conhecerá o seu adversário na segunda fase em sorteio marcado para sexta-feira, se juntando aos brasileiros Bahia e Vasco, que avançaram na etapa inicial. O torneio também foi o último vencido pelo clube, em 2012.

O JOGO - Com a proximidade do jogo de volta das oitavas de final da Copa do Brasil contra o Fortaleza, domingo, no Morumbi, Fernando Diniz optou por escalar um time misto. O treinador, que já não contava com Luciano, contundido, decidiu dar um descanso a Reinaldo, Diego Costa e Gabriel Sara no São Paulo.

Assim, Arboleda ganhou sua primeira chance como titular em dois meses e Léo foi deslocado para a lateral esquerda. Já no setor ofensivo, Pablo e Vitor Bueno começaram jogando. E foi uma dessas novidades que tirou o clima de marasmo da partida: logo aos seis minutos, Vitor Bueno arriscou de longe, marcando um belo gol ao colocar a bola no ângulo da meta adversária.

O gol precoce indicou a facilidade que o São Paulo poderia ter na partida, tanto que quase todo o primeiro tempo foi um duelo de ataque contra defesa. E o time encontrava espaços, tendo perdido chances com Pablo, Tchê Tchê e Brenner. Mas como parecia desinteressado, trocando passes em ritmo lento, perdia chances de marcar mais vezes contra o adversário, que quase fez o seu antes mesmo da equipe da casa, com Zeta, após um vacilo de Daniel Alves, que teve mais uma atuação irregular.

Assim, o segundo gol do São Paulo foi sair apenas aos 34 minutos, após um incrível bombardeio, com chutes de Vitor Bueno, duas vezes, e Igor Gomes. E a bola só foi entrar na tentativa de Brenner, marcando pela nona vez nesta temporada. A partir daí, o time diminuiu ainda mais o ritmo. E dando muito espaço permitiu a Deza, sem receber combate de Tchê Tchê, cortar para dentro e chutar colocado, fazendo 2 a 1 aos 39 e recolocando a sua equipe na partida.

Mas o São Paulo não precisava forçar o ritmo, tanto que marcou mais duas vezes no começo da etapa final. Primeiro com Pablo, com um belo voleio, aproveitando a liberdade dada pelos marcadores, encerrando um jejum de 11 jogos sem marcar, aos 5 minutos. E depois com Arboleda, completando finalização de Pablo que acertara a trave, aos 8. Dois gols que podem dar confiança a jogadores que perderam espaço com Diniz.

Diniz, então, aproveitou para dar descanso a mais titulares, como Igor Gomes, Brenner e Daniel Alves. E o São Paulo ainda teve chances para ampliar o placar, as melhores com Brenner e Luan, que parou na trave. E quem marcou, de novo, foi Pablo, aos 39. Ele recebeu passe de Toró, girou sobre o marcador e bateu para fazer 5 a 1, chegando aos nove gols na temporada, se igualando a Brenner na artilharia do time em 2020.

FICHA TÉCNICA:
SÃO PAULO 5 x 1 BINACIONAL
SÃO PAULO - Tiago Volpi; Tchê Tchê, Bruno Alves, Arboleda e Léo; Luan (Toró), Igor Gomes (Paulinho), Vitor Bueno (Helinho) e Daniel Alves (Rodrigo Nestor); Pablo e Brenner (Tréllez). Técnico: Fernando Diniz.
BINACIONAL - Fernández; Pérez, Mancilla, Fajardo e Reyes; Labrín, Angles, Guachiré, Ojeda e Arango (Gularte); Zeta (Deza). Técnico: Javier Arce
GOLS - Vitor Bueno, aos 6, Brenner, aos 34, e Deza, aos 39 minutos do primeiro tempo; Pablo, aos 5 e aos 39, e Arboleda, aos 8 minutos do segundo tempo.
ÁRBITRO - Facundo Tello (Argentina).
CARTÃO AMARELO - Tchê Tchê.
LOCAL - Estádio do Morumbi, em São Paulo (SP).

Por Leandro Silveira
Estadão Conteúdo

Imprimir