Cidadeverde.com
Geral

Cadeirantes fazem manifestação pelo fim da paralisação do transporte eficiente em Teresina

Imprimir
  • 20210412100844_IMG_7248.jpg Roberta Aline/Cidadeverde.com
  • 20210412100957_IMG_7256.jpg Roberta Aline/Cidadeverde.com
  • 20210412101024_IMG_7265.jpg Roberta Aline/Cidadeverde.com
  • 20210412101046_IMG_7270.jpg Roberta Aline/Cidadeverde.com
  • 20210412101113_IMG_7274.jpg Roberta Aline/Cidadeverde.com
  • 20210412101132_IMG_7275.jpg Roberta Aline/Cidadeverde.com
  • 20210412101200_IMG_7280.jpg Roberta Aline/Cidadeverde.com
  • 20210412101302_IMG_7287.jpg Roberta Aline/Cidadeverde.com
  • 20210412101653_IMG_7292.jpg Roberta Aline/Cidadeverde.com
  • 20210412101845_IMG_7296.jpg Roberta Aline/Cidadeverde.com
  • 20210412101913_IMG_7297.jpg Roberta Aline/Cidadeverde.com
  • 20210412101923_IMG_7299.jpg Roberta Aline/Cidadeverde.com
  • 20210412101949_IMG_7301.jpg Roberta Aline/Cidadeverde.com

Dezenas de manifestantes fizeram um protesto contra a paralisação do Transporte Eficiente, na manhã desta segunda-feira (12). O ato aconteceu em frente à sede da Superintendência Municipal de Transporte e Trânsito (Strans) no bairro Vermelha, zona Sul de Teresina. 

Os motoristas que operam o serviço estão parados desde o último dia 06 de abril. Ao todo, são 14 veículos que compõe a frota, mas na pandemia foram reduzidos para dez. Com a paralisação, 100% do transporte não está funcionando.

Funcionários da empresa Santa Cruz, que preferiram não se identificar, afirmam que cerca de 30 funcionários, entre motoristas, mecânicos dos veículos e servidores do setor administrativo da empresa estão com os salários atrasados por pelo menos dois meses. Segundo eles, a empresa alega que não recebeu os repasses da Strans.

Segundo o presidente da Associação dos Cadeirantes de Teresina (Ascamte), uma pendência jurídica, envolvendo a empresa Santa Cruz, prestadora do serviço e a Strans impediu o repasse dos valores pelos serviços prestados.

"Já são seis dias dessa paralisação, que tem deixado as pessoas cadeirantes, sobretudo as mais carentes, sem saber o que fazer, a mercê da sorte. Elas necessitam se locomover para o lazer, para as atividades de saúde, aquelas que fazem hemodiálise e precisam do transporte eficiente que é vital a elas”, disse o presidente Ascamte, Wilson Gomes.

 

Para a autônoma Amparo Souza, o funcionamento do transporte é uma quebra de promessa de campanha do atual prefeito.

"Meu marido também é deficiente e tem comorbidade. Estamos encontrando dificuldades para se locomover e ir ao médico, que é a única coisa que faz a gente sair de casa. O que a gente quer mesmo, é que o Dr Pessoa (MDB) coloque em prática o discurso de campanha: um olhar para os vulneráveis. Coisa que infelizmente não tá acontecendo", desabafou. 

O Cidadeverde.com procurou a Strans que não quis se manifestar sobre o assunto.  

 

 

Da Redação
[email protected]

Imprimir