Cidadeverde.com
Geral

Ônibus deixam de circular por falta de combustível e Setut cobra repasses da PMT

Imprimir

Ônibus de dois consórcios que atuam no transporte coletivo na zona sudeste de Teresina deixaram de circular nos últimos dias após não serem abastecidos. A informação foi confirmada pelo coordenador técnico do Sindicato das Empresas de Transporte Urbano de Teresina (Setut) , Vinicius Rufino, que alertou para o risco da situação se estender para outras operadoras do serviço.

De acordo com o Setut, as empresas enfrentam queda na arrecadação e dificuldades ocasionadas pelos constantes atrasos na contrapartida que deveria ser repassada mensalmente pela Prefeitura de Teresina. 

"O que está acontecendo é que, com esse agravamento da situação, o que se arrecada no sistema, que já era insuficiente, acaba não dando para o abastecimento dos veículos. Já temos duas operadoras que estão sem condição de colocar óleo diesel nos veículos, reflexo de uma arrecadação baixa e de uma cobertura que não vem sendo feita", argumentou o coordenador do Setut. 

Além dos consórcios que atendem a zona sudeste, outras empresas já sinalizaram a possibilidade de parar as atividades por falta de óleo diesel. "Essa situação de colapso já ocorreu em duas empresas e há a possibilidade de mais empresas pararem por falta de óleo diesel, por falta de condição de dar cobertura a essa aquisição de óleo diesel para manter o sistema em funcionamento", ressaltou Vinicius Rufino. 

Sobre o requerimento aprovado nesta quarta (28) pela Câmara Municipal, que pede rescisão do contrato do transporte público da capital com o Setut, Vinicius Rufino destacou que a entidade ainda não foi comunicada oficialmente sobre a matéria. Ele voltou a cobrar que o município exerça o papel de garantir o equilíbrio do sistema em meio a crise ocasionada pela covid-19. 

"É importante que se frise que no próprio contrato de concessão que foi licitado existem cláusulas que dão essa incumbência ao município de garantir equilíbrio econômico do sistema. Estamos passando desde o início da pandemia por uma situação adversa, situação que está acontecendo  no Brasil inteiro. Em outras praças, houve iniciativas para dar aporte financeiro para que o sistema sobreviva", disse o coordenador do Setut. 

Natanael Souza
[email protected] 

Imprimir