Cidadeverde.com
Esporte

Brasil perde invencibilidade e liderança da Liga das Nações com 3 a 0 para França

Imprimir

A seleção brasileira conheceu, nesta quinta-feira, sua primeira derrota na Liga das Nações em Rimini, região da Emilia-Romagna, na Itália. Errando muito e sem conseguir encaixar o bloqueio, perdeu para a poderosa França, futura seleção do técnico Bernardinho, por 3 a 0, parciais de 39/37, 25/18 e 30/28. 

Perder em sets corridos custou a liderança do torneio. Os franceses subiram para 11 pontos e os brasileiros permaneceram com nove.

Foi um jogo bem disputado em Rimini, no qual o técnico Carlos Schwanke, substituto de Renan Dal Zotto, se recuperando da covid-19, pôde rodar todo o elenco em preparação para a Olimpíada de Tóquio.

Apenas no segundo set o jogo brasileiro não encaixou, numa parcial na qual não conseguiu encaixar um bloqueio sequer.

Depois de três vitórias seguidas, o Brasil perdeu seu aproveitamento de 100% com uma derrota por placar inesperado. Apesar da força rival, queria vencer ao menos dois sets pela liderança.

Agora, buscará a reabilitação nesta sexta-feira, diante do Japão. Encerra a fase de classificação no sábado, diante da Sérvia.

O primeiro set deu mostras de quão fortes são Brasil e França, com a disputa terminando apenas em 39/37 para os europeus. A seleção brasileira teve oito set points e não aproveitou. Os franceses fecharam em sua oitava chance, com erro de Flávio no ataque.

O equilíbrio do primeiro set, contudo, não se refletiu na segunda parcial. O Brasil até largou com 4 a 2, mas cometendo muitos erros e não conseguindo encontrar os franceses no bloqueio, chegou à primeira parada técnica perdendo por 8 a 5 e por 16 a 12 na segunda.

O técnico Carlos Schwanke mexia no time para tentar tranquilizar seus jogadores e recolocar o time no jogo. Nem nos desafios o Brasil deu sorte. Foram dois pedidos perdidos com apenas 16 pontos somados pelos franceses. Bruninho e Wallace "ganharam" um descanso em parcial dura de ser virada.

Sem conseguir parar o oposto Patry, gigante na partida, a França não encontrou dificuldades para abrir 2 a 0 ao fechar o set em 25/18. A seleção não conseguiu um único bloqueio na parcial, o que custou caro. 

Para não perder a liderança da Liga das Nações, o Brasil precisava vencer ao menos os dois próximos sets, já que a França estava um ponto atrás na classificação justamente por ter vencido um jogo no tiebraker (soma só dois pontos).

A terceira etapa começou logo com os franceses abrindo vantagem. O Brasil estava perdido e foi para a parada atrás com 8 a 5. Os franceses dominaram grande parte do set, até o Brasil reagir e empatar em 19 a 19 após somar três pontos seguidos.

Quando era hora de o Brasil pressionar, uma virada de Patry e um pisão na linha de Alan voltaram a colocar a vantagem da França em dois pontos. Nada de os comandados de Schwanke desistirem. Douglas Souza buscou o 21 a 21. 

Trocas de pontos até 28 a 27 e, no quinto match point, o árbitro dar bola dentro dos franceses. O Brasil protestou e ele revisou o lance, confirmado a bola fora No sexto match point, contudo, deu França, com 30 a 28.

Bernardinho conhece rivais

Se preparando para assumir o forte time francês após a Olimpíada de Tóquio, quando Laurent Tillie se despedirá, o brasileiro Bernardinho conheceu nesta quinta-feira quais serão seus primeiros adversários.

Ele inicia sua passagem pelo time francês no Campeonato Europeu, a partir do dia 1° de setembro. No sorteio da tabela, a França caiu na chave D, ao lado da Estônia, que sediará o grupo, Alemanha, Letônia, Eslováquia e Croácia.

Os quatro melhores de cada um dos quatro grupos se classificam à fase final do Europeu, que ocorrerá em Katowice, na Polônia. A França de Bernardinho é a favorita do chave e deve avançar sem sustos. O acordo do treinador brasileiro com os franceses vai até os Jogos Olímpicos de 2024.

Fonte: Estadão Conteúdo

Imprimir