Cidadeverde.com
Geral

Bebê indígena de um mês morre em abrigo para venezuelanos em Teresina

Imprimir

 

Um bebê indígena de apenas um mês de vida, identificado como Moreno Mendoza, morreu na última terça-feira(08) em Teresina. A criança estava em um dos abrigos para venezuelanos sob os cuidados da Secretaria Municipal de Cidadania e Assistência Social de Teresina (Semcaspi). O bebê morreu em decorrência de uma infecção alimentar.

Ele era descendente do povo Warao, originário da Venezuela e tem pais indígenas que vieram para Teresina, onde a criança nasceu este ano. 

O grupo Piauí Indígena, através do seu perfil no Instagram, denunciou que a família está em um abrigo, que pouco sabem falar português e tiveram que ir sozinhos procurar assistência médica e que depois da morte, também tiveram que enterrar o filho, supostamente sem qualquer apoio do poder público municipal. 

O gerente de Direitos Humanos da Semcaspi, André Santos, informou ao Cidadeverde.com que foi dada toda a assistência à família, disse que o bebê nasceu prematuro e que sua morte bebê foi provocada por uma infecção alimentar. 

“A mãe deixava a criança com o avô para fazer a mendicância e ele estava dando a ela um leite que não era apropriado para a idade, por isso a criança estava com diarreia”, explicou André.

A mãe, identificada como Sophia Maria Mendoza tem 19 anos e o pai Wilmer Moreno Zapata, 27 anos.

André destaca que ainda na sexta-feira(04), quando o bebê começou a apresentar os sintomas, o coordenador do abrigo onde os pais estão, no Emater, foi com eles até uma Unidade de Pronto Atendimento (UPA) do Satélite, onde o bebê foi atendido e uma medicação foi passada. Eles retornaram para o abrigo e na segunda-feira(07) a criança apresentou uma melhora. 

“Na terça-feira, eles quiseram levar o bebê para o cacique fazer um ritual. E saíram do abrigo do Emater até o abrigo do Buenos Aires, onde está o cacique. E lá a criança teve uma piora e veio a óbito. No mesmo instante, foi acionado Serviço de Verificação de Óbito (SVO)”, destacou o gerente de Direitos Humanos. 

André Santos ressaltou ainda que o velório e sepultamento foi feito com apoio da Semcaspi e respeitando os rituais da cultura do povo Warao. 

“Eles são muito difíceis de lidar, nós vamos intensificar a questão alimentar, a higiene com as crianças, porque eles não querem dar banho nelas. A Sasc e a Ceapi vão aumentar a parceria para doação de frutas e verduras para que a gente consiga melhorar mais a alimentação deles”, afirmou André. 

Em Teresina, há cerca de 270 indígenas Warao refugiados da Venezuela vivendo em abrigos. 

NOTA DE ESCLARECIMENTO

A Secretaria Municipal de Cidadania, Asssitência Social e Políticas Integradas (Semcaspi), por meio da Gerência de Proteção Social Especial (GPSE), confirma o falecimento de Euclide Moreno Mendoza, de dois meses de vida, indígena de etnia Warao, que estava acolhido no abrigo Emater. O falecimento de Euclide Mendoza ocorreu na noite da última terça-feira, (08/06), por complicações de infecção intestinal.

A Semcaspi esclarece que a mãe de Euclide Mendoza, Sophia Maria Mendoza, 19 anos de idade, recebeu todo o acompanhamento necessário, inclusive, durante o período gestacional, com consultas pré-natal, exames iniciais que apontaram normalidade aos resultados, como ultrassonografia computadorizada. Foi prescrito e oferecido a suplementação com ácido fólico e ferro, além disto, foi encaminhada para atualizar o cartão de vacina. E recebeu o kit natalidade, composto de fraldas descartáveis e de pano, lenço umedecido, banheira, materiais de higiene e fita.

O Retalório Situacional, elaborado pelo Serviço de Acolhimento Institucional (Abrigo Ka Ubanoko II – EMATER), aponta que no dia 25 de maio de 2021, Sophia Mendoza foi a UBS Estaca Zero para o encerramento do pré-natal e do acompanhamento puerperal, sob a companhia da educadora social do abrigo, e relatou não estar amamentando Euclide Mendoza e em troca estaria oferecendo o leite da marca Ninho. Com as orientações médicas, foi providenciado pela Semcaspi, no dia 26 de maio de 2021, o leite NAN 1, ideal para bebês da idade de Euclide Mendoza, sendo entregue ao pai, Wilmer Moreno Zapata, 27 anos de idade.

Ao apresentar infecção intestinal, no dia 07 de junho de 2021,aproximadamente às 14h, Euclide Mendoza foi encaminhado para a UPA do Satélite. Ao retornar da UPA, às 17h, os pais já tinham providenciado o medicamento prescrito: paracetamol e simeticona e relataram que o médico teria pedido para substituir o leite NAN I pela fórmula infantil de nome Nestogeno.

No dia seguinte, 08 de junho de 2021, às 16h, Euclide Mendoza foi levado ao abrigo CSU, para que um dos acolhidos, Lautério Perez, rezasse no bebê, ritual que faz parte da cultura deles. Embora, os coordenadores não tenham recomendado a saída da família para outro abrigo, devido ao período de pandemia, eles optaram por levar a criança para o tratamento com base em rituais religiosos. Euclide Mendoza faleceu poucas horas depois.

A Semcaspi concedeu o suporte necessário, por meio do serviço de Benefícios Eventuais, como: auxílio funeral e auxílio de transporte, respeitando as tradições culturais deste grupo. E ainda, lamenta profundamente o ocorrido e se disponibiliza para prestar mais esclarecimentos.

 

Caroline Oliveira
[email protected]

Imprimir