Cidadeverde.com
Últimas

Infectologista fala dos riscos de gestantes não tomarem a vacina contra Covid

Imprimir


O infectologista Carlos Henrique Nery Costa afirmou em entrevista ao Notícia da Manhã, nesta quarta-feira (14), que a vacina contra a Covid-19 protege a mãe e o seu bebê. A declaração aconteceu um dia após a Secretaria Estadual de Saúde (Sesapi) divulgar que somente 1.139, das 4.744 gestantes e puérperas que tomaram a primeira dose da vacina, retornaram para completar o esquema de imunização no estado.

“A vacina protege a mãe e a criança. É lamentável que as mães que tomaram a primeira dose não tenham ido tomar a segunda dose. A vacina não representa absolutamente nenhum risco adicional para a gestante, nem para o neném, nem para o aleitamento materno. Ao contrário, a doença Covid-19 é muito mais grave na gestante, como nos idosos, aumenta o risco da doença grave, da necessidade de internação, necessidade de UTI (unidade de tratamento intensivo). É uma coisa simples: vai lá, tome a sua dose, se for necessário tome no puerpério, para estar protegida para cuidar do seu neném”, diz o médico. 

No momento, o Ministério da Saúde e a Secretaria Estadual de Saúde (Sesapi) recomendam somente o uso da CoronaVac e da Pfizer para grávidas e puérperas. 

Sobre a AtraZeneca e quem já tomou a primeira dose, o médico comenta a necessidade de uma normatização sobre a segunda dose. Alguns estados aplicaram a segunda dose com fabricante distinto. 

No Piauí, a Sesapi emitiu aos municípios a recomendação de não vacinarem as grávidas e as puérperas com vacinas diferentes da Covid-19. 

“Infelizmente, não tem estudo o suficiente para dizer como será o efeito de uma vacina sobre a dose anterior. É preciso que haja o regramento, haja normatização, do Ministério da Saúde e das autoridades sanitárias, para que as pessoas façam o uso dessa alternativa quando recomendadas”. 

O secretário estadual de Saúde, Florentino Neto, fez um apelo e pediu para que elas procurem os postos de vacinação dos municípios. Segundo a Sesapi, apenas neste ano, 16 gestantes morreram em decorrência de complicações da Covid-19.
 

 

Carlienne Carpaso
[email protected] 

Imprimir