Cidadeverde.com
Geral

Denúncias de violência doméstica aumentam 117% no Piauí, aponta Anuário de Segurança

Imprimir

Foto: Roberta Aline/ Cidadeverde.com

Dados do 15º Anuário da Segurança Pública revelam que em 2020, ano em que explodiu os casos de coronavírus no mundo e a população ficou mais tempo em casa devido à pandemia, houve aumento de pedidos de socorro contra violência doméstica no Piauí. O levantamento, publicado nesta quinta-feira (15), mostra que em 2020 foram feitas  2.161 chamadas para a Central  190 da Polícia Militar no Estado para denúncias deste tipo.  Em 2019, foram 996 ligações.

O número de 2020 representa um aumento de 117% em relação ao ano anterior.  O anuário também destaca o crescimento de homicídios contra mulher. Foram 61 em 2020 e 46 em 2019. No caso dos feminicídios, houve registro de 29 em 2019 e 31 em 2020.     

O anuário destaca que em 2020 também houve aumento no índice de estupro e tentativa de estupro contra  mulheres vulneráveis no Piauí. São 725 em 2019 enquanto no ano passado foram 793 casos.  

No caso geral de mulheres e homens vítimas de estupro e tentativa de estupro foram 815 registros em  2019 e 899 em 2020 , representando um aumento de 10%. 

Houve registro  de aumento nos índices de estrupro de vulnerável. Foram 625 casos em 2020 entre a faixa etária de 0 a 19 anos. Destes, 285 das vítimas tinham de  0 a 11 anos, 322 de 12 a 17 anos e 18 de 18 a 19 anos. 

MORTES VIOLENTAS

Os números do levantamento revelam, ainda, que houve aumento de Mortes Violentas Intencionais (MVI) no Piauí em 2020. De acordo com o levantamento, o Estado registrou 707 mortes, número 20,1% maior que o índice de 2019, onde 587 aconteceram. 

Apenas em Teresina foram foram 224 homicidios doloso [com intenção de matar] em 2019 e  277 em 2020.

A  categoria Mortes Violentas Intencionais (MVI) corresponde à soma das vítimas de homicídio doloso, latrocínio, lesão corporal seguida de morte e mortes decorrentes de intervenções policiais em serviço e fora (em alguns casos, contabilizadas dentro dos homicídios dolosos.   

Veja dados nacionais:

 

Izabella Pimentel
[email protected]

 

Imprimir