Cidadeverde.com
Política

Com passivo trabalhista de R$ 5 milhões, Pessoinha quer PDV na Eturb

Imprimir

O presidente da Empresa Teresinense de Desenvolvimento Urbano (Eturb), João Duarte, o Pessoinha, anunciou nesta terça-feira (27) que vai autorizar em breve um Programa de Desligamento Voluntário (PDV) na empresa. A medida é para tentar enxugar os gastos com ações trabalhistas, por exemplo, e torná-la viável. Um plano de reestruturação foi apresentado e aprovado pelo prefeito Dr. Pessoa.

“Hoje a Eturb tem 284 funcionários efetivos e 45 prestadores de serviços. 73,8% desses servidores já estão aposentados pelo INSS, mas eu não posso demiti-los. O regime da empresa é diferente de outras secretarias. Lá é celetista. Depois da reforma previdenciária eu não posso demiti-los. Ou eles vão aderir ao PDV, que vou apresentar futuramente, então eles têm que pedir demissão”, informou o presidente em entrevista à TV Cidade Verde.

A Eturb possui um passivo trabalhista que chega a R$ 5 milhões. São mais de 100 ações tramitando na justiça. “O passivo trabalhista é de R$ 5 milhões. Lá a gente tem 117 ações trabalhistas contra a empresa, algumas já tiveram seu trânsito em julgado”, afirmou.

Segundo o gestor, a empresa estava praticamente parada e os servidores cedidos a outros órgãos. “A Eturb não estava fazendo nada. Os servidores eram cedidos para as outras secretarias, mas a empresa em si não estava fazendo nada”, comentou.

Foto: Roberta Aline

De acordo com João Duarte, em maio a Câmara Municipal autorizou o retorno dos serviços de asfaltamento da capital para a empresa. “Dia 13 de maio o prefeito determinou e foi aprovado pela Câmara que o asfaltamento da cidade passe a ser novamente da Eturb. Estava com a Semduh. Lá tinham 22 contratos relativos ao asfalto, assim como a própria usina de asfalto”, destaca.

Para o presidente, está descartado em um primeiro momento a liquida da Eturb. “Nós apresentamos um plano de reestruturação da empresa, foi aprovado pelo prefeito Dr. Pessoa. Consequentemente a gente conseguiu organizar as certidões da empresa e estamos lutando com reordenamento dos valorosos servidores que compõem a empresa. Se a gente liquidar a empresa teremos que pagar todos os funcionários. A Eturb tem como prestar um serviço de qualidade”, finalizou.

Hérlon Moraes
[email protected]

Imprimir