Cidadeverde.com
Economia

Obra da Transcerrados deve iniciar em outubro; pedágio será de R$ 8 por trecho

Imprimir

A obra da Rodovia Transcerrados, no extremo sul do Piauí, deve ter início em outubro com máquinas na pista. O investimento é em torno de R$ 800 milhões por meio de Parceria Público-Privada (PPP), pagamento que será realizado pelo Governo do Estado ao longo de 30 anos. A superintendente de Parcerias e Concessões do Estado (Suparc), Viviane Moura, explica que a expectativa é que a conclusão ocorra até 2022, quando deve começar também a ser cobrado pedágio no valor estimado de R$ 8 por trecho. 

"São R$ 800 milhões entre investimento em obra, operação e manutenção. É uma rodovia que vai ter carro guincho, serviço mecânico, wifi livre. Será uma rodovia totalmente diferenciada, diferente do que temos hoje e que tem uma atenção especial ao usuário em relação ao bem-estar, segurança. Terminou o processo de implantação e começou a trafegar com asfalto, aí começa a pagar o pedágio", explica Moura. 

Segundo ela, o valor de R$ 8 por trecho é  menor que todas as rodovias pedagiadas do Brasil.  Ao todo serão 276 km de rodovia, divididos em três trechos. 

"O valor ficou em R$ 8 e foi negociado com os produtores que são quem mais necessitam da rodovia Transcerrados. Serão três trechos de pedágio que chegam a R$ 24 que é menor do que atualmente é pago, cerca de R$ 75 por não existir a estrada e isso está no custo do frete", pontua a superintendente. 

Viviane Moura destaca que o pagamento só terá início quando a rodovia for implementada. 

"Essa é uma grande diferença das PPPs. A parceria público-privado só significa uma despesa para o Governo quando o serviço está à disposição do usuário. Já nos contratos convencionais, o Governo paga antecipado. O valor começar em torno de R$ 900 mil e chega a R$ 2 milhões mês, que é o correspondente ao que o privado vai investir. O privado vai investir R$ 800 milhões e o Estado vai pagar esse investimento ao longo de 30 anos", esclarece Viviane Moura. 


AEROPORTO DE PARNAÍBA

Em entrevista ao Jornal do Piauí, nesta quarta-feira (28), a superintendente de Parcerias e Concessões do Estado confirmou também a parceria público-privada no aeroporto de Parnaíba, no litoral do Piauí. O projeto prevê três etapas. A ideia é atrair a demanda de turista, de voos e depois carga. 

"Está todo planejado na perspectiva de trazer mais turistas, turista internacional, voo internacional e depois voo com carga. A gente está na fase final de análise do material para enviar para a Procuradoria Geral do Estado. Depois que devolverem, a gente começa o processo licitatório ainda nesse segundo semestre. Serão quase R$ 50 milhões pela iniciativa privada. O aeroporto de Parnaíba tem um potencial magnífico, pois é nossa porta de entrada mais próxima do Brasil vindo da Europa", destacou Moura. 

A superintendente também confirmou a manutenção da PPP do Zoobotânico que foi adiada para o fim de agosto. 

"O projeto da PPP segue  e deve ser retomado no fim do mês agosto. Quando a gente traz a iniciativa privada para um projeto como esse, a gente está dando o seguinte sinal: precisamos de investimentos mais altos. No Zoobotânico são quase R$ 30 milhões, para transformar, principalmente, a área do zoológico, a área onde ficam os animais em áreas adequadas, que pense no bem-estar, integração com a natureza e que o foco seja a educação ambiental e não na exposição. O projeto da PPP está todo focado nisso, nesse novo conceito de bioparque, melhorando as condições dos animais", finalizou Viviane Moura. 

 

Graciane Sousa
[email protected]

Imprimir