Cidadeverde.com
Entretenimento

'Halo' é a música mais tocada de Beyoncé no Brasil

Imprimir

Foto: AgNews

Beyoncé faz show em Sao Paulo (07/02/2010)

A música Halo é a mais tocada da cantora Beyoncé no Brasil. A informação é de um levantamento feito pelo Ecad, Escritório Central de Arrecadação e Distribuição. A entidade fez um estudo especial sobre as canções da artista norte-americana mais tocadas em território nacional.

Neste sábado, 4, Beyoncé completa 40 anos de idade. Cantora, compositora, atriz e ex-integrante do grupo Destiny's Child, ela tem fãs em todo o mundo.

A música Halo, um dos hits da artista lançado em 2008 e faixa do terceiro disco de estúdio, I Am...Sasha Fierce, está no top da lista das mais tocadas no Brasil. Essa foi também a canção que mais lhe rendeu direitos autorais no ano passado pela execução.

No top 3 desse ranking, também ficaram Crazy in Love, um grande sucesso da artista com a participação do rapper Jay-Z, com quem é casada, e Irreplaceable, outra canção famosa da diva norte-americana que faz parte do álbum B'Day.

No banco de dados do Ecad, Beyoncé tem 234 canções e 1.266 gravações cadastradas.

Uma curiosidade do levantamento foi a palavra que mais apareceu em títulos das músicas escritas pela diva: "love" está em 18 títulos das 234 músicas de sua autoria.

A maior parte dos rendimentos em direitos autorais pela execução pública das músicas no Brasil foi proveniente dos segmentos de rádio, TV e casas de festas e diversão, que correspondem a mais de 75% do que foi destinado a ela nos últimos 10 anos.

Os valores arrecadados no Brasil são distribuídos pelo Ecad para a associação brasileira que representa Beyoncé, que repassa esses valores para o escritório internacional ao qual a cantora é filiada.

No Brasil, a entidade que representa Beyoncé é a União Brasileira de Compositores (UBC).

"Beyoncé é um exemplo de artista global completa, suas performances e lançamentos sempre atraem atenção de um público cada vez maior", declarou Marcelo Castello Branco, diretor executivo da UBC.

 

Fonte: Estadão Conteúdo

Imprimir