Cidadeverde.com
Últimas

Fraudes com Pix tem relação com reabertura da economia, diz presidente do BC

Imprimir

Foto: Roberta Aline/Cidadeverde.com

O presidente do BC (Banco Central), Roberto Campos Neto, afirmou nesta sexta-feira (1º) que o aumento das fraudes no Pix está mais relacionado à reabertura da economia do que com as regras aplicadas ao sistema de pagamentos instantâneos.

Em evento virtual promovido pelo Morgan Stanley, ele ressaltou que o BC promoveu mudanças no Pix para evitar fraudes e outros crimes.

"Criamos um novo segmento do Pix só para evitar fraudes. Claro, houve um aumento no número de fraudes, mas isso está mais relacionado à reabertura da economia do que a forma como fazemos", disse.

A avaliação foi feita um dia após o BC registrar o primeiro caso de vazamento de chaves Pix. De acordo com a autarquia, uma falha no sistema do Banese (Banco do Estado de Sergipe) levou à exposição de 395 mil informações de não correntistas da instituição.

O banco informou que sua área técnica detectou consultas indevidas a dados exclusivamente do tipo telefone. Segundo a instituição, os dados foram conseguidos a partir de duas contas bancárias de clientes do Banese.

Campos Neto destacou ainda que o sistema de pagamentos instantâneo teve evolução rápida no país, com 100 milhões de pessoas e quase 7 milhões de empresas participantes.
Recentemente o BC implementou medidas de segurança para reduzir a vulnerabilidade dos sistemas às ações de criminosos em fraudes, sequestros e outros crimes.

Foi determinado, por exemplo, o limite de R$ 1.000 para operações em canais digitais com Pix e TED (Transferência Eletrônica Disponível) entre pessoas físicas à noite, que começa a valer em 4 de outubro.

A medida também valerá para cartão de débito quando utilizado para fazer transferência, com o WhatsApp Pay.

O BC também estabeleceu o prazo mínimo de 24 horas para a efetivação de pedido do usuário, feito por canal digital, para aumento de limites de transações com Pix, TED, DOC (Documento de Ordem de Crédito), transferências intrabancárias, boleto e cartão de débito.

A autarquia afirmou que a medida visa impedir o aumento imediato em situação de risco.
Além disso, na última terça-feira (28), o BC publicou norma que permite que o banco retenha uma operação suspeita de fraude por até 72 horas, medida que passa a valer em 16 de novembro.
As mudanças foram anunciadas em 27 de agosto após pressão dos bancos diante da explosão de fraudes, sequestros e outros crimes envolvendo o Pix.

Inflação
No evento, ele afirmou que o pico da inflação deve ser alcançado em setembro e deve desacelerar nos meses seguintes.

Sobre preocupações em torno dos efeitos da alta da taxa básica de juros na atividade econômica, ele disse que "a melhor forma de gerar crescimento estrutural é estabilizando preços".
Campos Neto ressaltou ainda a importância da credibilidade do BC e de se passar a mensagem de comprometimento em perseguir a meta de inflação.

"O importante é não só o que acontece com a Selic mas como isso se propaga na curva e em outros mercados", disse.

O presidente do BC descartou ainda um ajuste na meta e reafirmou que a Selic será levada ao patamar necessário para levar a inflação à meta nos próximos anos.


Fonte:Folhapress

Imprimir