Cidadeverde.com
Geral

Justiça decreta prisão do estudante suspeito de estuprar irmãs e primas

Imprimir

Foto: Roberta Aline/Cidadeverde.com

Atualizada às 17h30

A Justiça decretou a prisão preventiva do estudante de Medicina Marcos Vitor Aguiar Dantas Pereira, suspeito de estuprar quatro crianças em Teresina, dentre elas duas irmãs. O caso foi descoberto ainda no mês de julho, mas só foi denunciado à Delegacia de Proteção à Criança e ao Adolescente (DPCA) no dia 31 de agosto pela mãe de uma das vítimas. Ele estuda em Manaus, no Amazonas.

O delegado geral, Luccy Keiko, confirmou ao Cidadeverde.com que a prisão foi decretada pelo juiz da Central de Inquéritos Valdemar Lima. Segundo ele, a polícia já está em diligências para localizar o estudante.

"Ele está em local incerto e não sabido. É um caso grave em que a Polícia, MP e Judiciário entenderam ser necessário a prisão. Desta forma, estamos agora em diligência", afirmou o delegado.

 Luccy Keiko informou que o suspeito já é considerado foragido, uma vez que a delegada que comanda a investigação, Camila Miranda, da DPCA, não consegue contato com a defesa.

"A delegada não consegue contato com a defesa. Ele não foi localizado. Pedimos que qualquer informação ligue para nosso telefone", declarou.

O telefone é o 86 3216-5225 ou 181. O contato pode ser feito ainda pelo site da Policia Civil do Piaui. Clique aqui.


Estudante é considerado foragido pela polícia. Foto: Arquivo Pessoal

Polícia do Amazonas faz diligências

O delegado Marcelo Leal, da Gerencia de Polícia do Interior, informou na tarde de hoje que a Polícia Civil do Amazonas realizou diligências em Manaus e o estudante não foi localizado no endereço que consta no processo

"Estamos em contato com outras forças de segurança que tem ajudado nas buscas. A Polícia Civil do Amazonas realigou diligências e ele não foi encontrado. Essa história que ele não estaria no país demanda um aprofundamento maior de nossa investigação", afirmou o delegado.

Ainda de acordo com Marcelo Leal, o inquérito não foi concluído, pois Marcos Vítor ainda não prestou depoimento.

Foto: Yala Sena

Tia de uma vítima relata horror em depoimento

O inquérito está em segredo de justiça e apura pelo menos quatro denúncias, envolvendo irmãs e primas do estudante. Uma das vítimas, de apenas 3 anos, prestou depoimento e o conteúdo da conversa com uma psicóloga e um assistente social chocou os familiares, que tiveram acesso ao vídeo do momento. 

No depoimento, a criança afirmou que o estudante tocava e beijava suas partes íntimas, além de relatar outros momentos que para a família não deixam dúvidas sobre a conduta de Marcos Vitor. 

O Cidadeverde.com tentou contato com o advogado de defesa, Eduardo Faustino, que informou não ter tomado conhecimento do pedido de prisão. "Não fomos informados", disse o advogado após ser questionado que Marcos Vitor está sendo considerado foragido pela polícia. Questionado se o estudante está no Brasil, Faustino disse que "até onde me consta, sim".

O advogado da família das vítimas, Rodrigo Araújo, classificou o pedido de prisão preventiva como uma vitória social.

“Finalmente, Marcos Vitor teve sua prisão preventiva decretada. Logo no dia de hoje, dia das crianças, temos uma vitória dessa que marca justamente a busca pela justiça às vítimas tão pequenas e indefesas. Que a prisão se efetive, que o inquérito seja tão logo concluído, que o Ministério Público denuncie o indiciado e que o Poder Judiciário bem interprete a lei e a aplique. É o mínimo e máximo que esperamos. É o que a família busca, como forme de aplicação da justiça. Como forma dessas mães tornarem-se às suas crianças e dizerem que tudo que elas relataram e tudo que movimentaram pra tal feito não foi em vão. Além disso, essas mães, que arduamente lutaram para que o Marcos Vitor fosse imediatamente preso, buscam proteger outras crianças que eventualmente poderiam ser vítimas desse ser desumano. É justiça que reverbera para todos. É uma vitória social”, declarou.

Flash Yala Sena e Hérlon Moraes
[email protected]

Imprimir