Cidadeverde.com
Últimas

“É muito horroroso”, diz tia sobre relato de irmã de estudante de medicina suspeito de estupro

Imprimir

Foto: Roberta Aline/Cidadeverde.com

Criança foi ouvida na sede da Delegacia de Proteção à Criança e ao Adolescente (DPCA)

Familiares das crianças vítimas de estupros atribuídos ao estudante de medicina Marcos Vitor Aguiar Dantas Pereira, de 22 anos, seguem em campanha nas redes sociais pedindo a prisão do suspeito. O inquérito, conduzido pela Delegacia de Proteção à Criança e ao Adolescente (DPCA), está em segredo de justiça e apura pelo menos quatro denúncias, envolvendo irmãs e primas do estudante. 

O inquérito conta com depoimentos das vítimas, entre eles o de uma criança de três anos, do sexo feminino, irmã de Marcos Vitor. O conteúdo da conversa, com uma psicóloga e um assistente social, revoltou os familiares, que tiveram acesso ao vídeo do momento. 

“Ela contou tudo. Ela é criança e fala como se fosse uma brincadeira. Ela não tem a malícia, não sabe o nome das partes íntimas. É muito horroroso. Ela gosta dele, trata como irmão”, lamentou a tia da criança, que também é mãe de uma das outras vítimas. 

No depoimento, a criança afirmou que o estudante tocava e beijava suas partes íntimas, além de relatar outros momentos que para a família não deixam dúvidas sobre a conduta de Marcos Vitor. 

Ainda de acordo com os familiares, além das quatro denúncias formalizadas, pelo menos outras três primas do estudante também relataram ter sido vítimas de abusos sexuais cometidos por ele. “Todas as mulheres próximas dele, ele agredia”, destacou a mãe da vítima. 

Segundo os familiares das vítimas, Marcos Vitor está foragido e ainda não compareceu para prestar seu depoimento à Polícia Civil. 

O que diz a defesa 

Ao Cidadeverde.com, o advogado Eduardo Faustino, que representa Marcos Vitor no caso, negou que o estudante de medicina está foragido.  “Ele já se apresentou, eu já inclusive renunciei ao depoimento pessoal dele. Nós estamos habilitados no processo e no inquérito. Não tenho informação de que ele está foragido, ao contrário”, disse o advogado.

O caso

O estudante de medicina foi denunciado na Delegacia de Proteção à Criança e ao Adolescente (DPCA) por familiares no último mês de agosto, após ter sido descoberto no mês de julho deste ano. Ele é apontado como autor de abusos sexuais contra quatro crianças, entre elas as duas irmãs. 

Segundo o advogado que representa a família das vítimas, o estudante já esteve em contato com a família após as denúncias, tendo confessado o crime e pedido perdão. Ele acrescentou que aguarda a prisão preventiva do suspeito, pois apresenta risco de fuga.

Nas redes sociais o suspeito se manifestou e disse que o "que tiver de ser esclarecido será, nos orgãos competentes". Ele também afirma que não está foragido e que mora em Manaus por causa dos estudos.

 


Natanael Souza
[email protected] 

 

Imprimir