Cidadeverde.com
Últimas

Strans garante 250 veículos em frota alternativa durante greve do transporte público

Imprimir

Foto: Roberta Aline/Cidadeverde.com

Com a greve deflagada por motoristas e cobradores de ônibus a partir desta quinta-feira (28), Teresina deverá contar com 250 veículos cadastrados para fazer o transporte da população, segundo a Superintendência Municipal de Trânsito (Strans).

De acordo com o superintendente Cláudio Pessoa, além desses veículos, também haverá o percentual obrigatório de ônibus que se deve operar durante a greve.

“Nós já temos aqui, além dos veículos que serão empregados pelo transporte regular respeitando-se o percentual de 70% no horário de pico e 30% no entrepico, aproximadamente 250 veículos cadastrados para operar no sistema”, esclarece o superintendente.

Já sobre o transporte alternativo, que também paralisou as atividades na última quinta-feira (21) após a Strans bloquear o sistema de bilhetagem eletrônica dos veículos, Cláudio Pessoa explicou que as vans poderão operar na capital sem o validador.

“Em relação as vans, o impedimento foi somente para que elas não circulem com o validador, então elas operando, teremos mais 33 veículos aptos para prestar esse serviço a Teresina”, acrescenta.

A Strans reforça ainda que as pessoas que tiverem veículos devidamente habilitados e vistoriados pelo órgão, também poderão se cadastrar para fazer o transporte da população nesse período de greve.

"Aqueles que despuserem de veículos, depois de devidamente habilitados e vistoriados pela Strans, poderão estar prestando esse serviço essencial nesse período excepcional da paralisação", ressalta o superintendente.

Greve do transporte público

A decisão da greve do trasporte público por tempo indeterminado foi tomada durante assembleia na sede do Sindicato dos Trabalhadores Rodoviários (Sintetro) na manhã de hoje (27). Segundo o presidente do Sintetro, Ajuri Dias, a greve só deverá ser encerrada com a assinatura da convenção coletiva de trabalho. 

"Estamos de greve a partir de amanhã, com esse objetivo principal. Na hora que assinarmos a convenção coletiva de trabalho, suspendemos qualquer movimento", destacou o presidente. 

 

Rebeca Lima
[email protected] 

 

 

Imprimir