Cidadeverde.com
Política

Marcelo Castro sobre reunião entre Ciro e Dr. Pessoa: “Preferiria uma conversa institucional”

Imprimir
  • 6.jpg Ascom/ Marcelo Castro
  • 5.jpg Ascom/ Marcelo Castro
  • 4.jpg Ascom/ Marcelo Castro
  • 3.jpg Ascom/ Marcelo Castro
  • 2.jpg Ascom/ Marcelo Castro
  • 1.jpg Ascom/ Marcelo Castro
  • 0.jpg Ascom/ Marcelo Castro

O presidente estadual do MDB, Marcelo Castro, comentou nesta sexta-feira (05) sobre a reunião entre o prefeito Dr. Pessoa (MDB) e o ministro Ciro Nogueira (Progressistas), que ocorreu na casa do vice Robert Rios (PSB) na última segunda-feira (01). 

O senador revelou que não foi consultado sobre e fez ressalvas acerca de como e onde o encontro ocorreu. Para o emedebista, o fato do diálogo entre Dr. Pessoa e Ciro Nogueira ter acontecido na casa de Robert Rios, e não em um órgão institucional, deu um caráter “íntimo” para situação. 

“Se tivessem me perguntado, eu preferiria que fosse uma conversa institucional na Prefeitura ou na Casa Civil, quando vai para um almoço fica uma coisa mais íntima. Não estou fazendo crítica, do ponto de vista institucional, tudo normal”, pontuou. 

Na data, o gestor e ministro afirmaram que tratariam de investimentos federais para Teresina. No entanto, não descartaram que a pauta política esteve entre o que foi dialogado. O entendimento era o de que a dupla conversaria sobre a possibilidade de Dr. Pessoa assumir a presidência do União Brasil com o auxílio de articulações de Ciro Nogueira. 

Marcelo Castro também relembrou que nas eleições municipais de 2020, Ciro Nogueira e Dr. Pessoa estiveram em blocos opostos e, segundo ele, a tendência continuará sendo esta. 

“Agora, o Ciro Nogueira é adversário nosso, trabalhou nessa campanha pelo Kleber Montezuma contra o Dr. Pessoa vai trabalhar na próxima campanha a favor de Silvio Mendes ou Kleber Montezuma”, frisou. 

Descartou candidatura ao governo

Questionado sobre, Marcelo Castro também afastou a possibilidade de mudança na composição da chapa majoritária da base governista. No grupo, existe um seguimento que defende o senador como o candidato do grupo ao governo do estado no lugar do secretário de Rafael Fonteles (PT).
 
Esse cenário alteraria a própria composição da chapa emedebista, uma vez que o presidente da Assembléia Legislativa do Piauí (Alepi), Themístocles Filho (MDB), ficaria impedido de concorrer à vaga. Marcelo Castro, no entanto, negou a hipótese. Ele foi firme ao falar: o MDB pleiteia o cargo de vice com o nome do parlamentar indicado para disputar a vaga. 

“Chance zero. Temos um candidato que está lançado e que estamos em campanha e que se chama Rafael Fonteles. Tudo mais é especulação, é fora do script, não está no jogo. Estamos trabalhando para que o MDB indique o vice, o nome que tem sido apresentado é do deputado Themistocles Filho, enquanto outro nome não se apresente o nome é o dele”, destacou. 

Nova filiação

Nesta manhã, membros da Executiva estiveram reunidos  com pré-candidatos a deputado pela sigla para 2022. Na ocasião, foi assinada a filiação do ex-vereador de Teresina, Antônio José Lira, que afirma ser pré-candidato a deputado federal.
 
“O que vai marcar essa pré-candidatura é um pensamento que sempre prego: nós nunca podemos parar de sonhar. A vida é um recomeço e temos que continuar a luta. Eu tenho a política como missão e não como profissão. Não tenho a menor dúvida que o nome de Antônio José Lira é um grande nome para sacudir o Congresso Nacional”, pontuou.
 
Além de Marcelo Castro, participaram da reunião os deputados Themístocles Filho, João Mádison e Henrique Pires e o secretário municipal de Planejamento João Henrique Sousa.

Paula Sampaio
[email protected]

Imprimir