Cidadeverde.com
Política

Maioria da bancada piauiense votou a favor em 2ª votação da PEC dos Precatórios

Imprimir

Foto: Pablo Valadares/Câmara dos Deputados

A maior parte da bancada piauiense na Câmara Federal votou a favor da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) dos Precatórios, aprovada em votação de segundo turno que ocorreu na noite da terça-feira (09).

O texto foi aprovado por 323 a 172 votos, 15 a mais do que o mínimo necessário para mudanças na  Constituição. A matéria permite a expansão de gastos públicos e viabiliza a ampliação do Auxílio Brasil prometido pelo presidente Jair Bolsonaro. 

Dos 10 parlamentares piauienses, apenas os deputados petistas Merlong Solano e Rejane Dias deram votos contrários. 

No geral, a bancada do Piauí deu um voto a mais para a proposta em relação à primeira votação. O deputado Marcus Aurélio (MDB), que esteve ausente no primeiro turno, votou a favor neste último. 

O deputado Flávio Nogueira (PDT) também foi favorável a proposição. Membros da oposição ao governo de Jair Bolsonaro (sem partido) acreditavam em uma “reviravolta” no segundo turno e esperavam “virar” votos de parlamentares do partido. 

Veja como votou cada deputado: 

  • Capitão Fábio Abreu (PL): Sim 
  • Flávio Nogueira (PDT): Sim 
  • Iracema Portella (PP): Sim 
  • Júlio Cesar (PSD): Sim 
  • Marcus Aurélio (MDB): Sim 
  • Margarete Coelho (PP): Sim 
  • Marina Santos (PL): Sim
  • Merlong Solano (PT): Não 
  • Rejane Dias (PT): Não 
  • Atila Lira (PP): Sim 

PEC DOS PRECATÓRIOS 

A PEC dos Precatórios é uma prioridade do governo de Jair Bolsonaro (sem partido) para garantir o pagamento do Auxílio Brasil de R$ 400, de dezembro até o final de 2022, ano em que Bolsonaro deve disputar a reeleição, além de abrir espaço para outros gastos federais.

Pela proposta, cerca de R$ 90 bilhões devem ser liberados para despesas no próximo ano.

Agora, o texto deverá seguir para o Senado. Na Casa, o Piauí conta com três senadores Elmano Ferrer (Progressistas) e Eliane Nogueira (Progressistas), aliado do presidente e Marcelo Castro (MDB), que já se manifestou contrário a aprovação da proposta. 

Paula Sampaio
[email protected]

Imprimir