Cidadeverde.com
Esporte

Com Mineirão lotado, Cruzeiro só empata com o Náutico na despedida da Série B

Imprimir

Numa noite de muita festa nas arquibancadas, o Cruzeiro não saiu de um empate sem gols com o Náutico, no Mineirão, em Belo Horizonte (MG), na abertura da 38ª e última rodada da Série B do Campeonato Brasileiro. Os mineiros dominaram o confronto do início ao fim.

Foto - Gustavo Aleixo - Cruzeiro

Com o empate, o Cruzeiro chegou aos 48 pontos e aparece na 11ª posição. Uma campanha bem abaixo do esperado e que, se não fosse a chegada de Vanderlei Luxemburgo, poderia ter sido ainda pior, culminado com um inédito rebaixamento para a Série C. 

Por isso, ainda assim o saldo do ano é positivo. Já o Náutico, que figurou por boa parte do campeonato dentro do G-4 e até mesmo na liderança, ficou com 53 pontos, em oitavo lugar.

O destaque da partida foi a torcida cruzeirense, que lotou o estádio Mineirão com mais de 50 mil torcedores. Durante o jogo, os torcedores xingaram o presidente Sérgio Santos Rodrigues e entoaram gritos valorizando o clube.

O Cruzeiro dominou o primeiro tempo, mas assim como durante todo o campeonato, mostrou muita dificuldade em colocar a bola no fundo das redes. Foi um domínio absoluto dos mineiros, que tiveram maior posse de bola e chutaram 16 vezes ao gol, contra apenas cinco do Náutico.

Não menos importante, vale ressaltar que o goleiro Anderson, do Náutico, também teve trabalho para manter o zero no placar. Ele interveio em diversos chutes de fora e dentro da área. Num deles, aos 33, Giovanni finalizou colocado e obrigou o arqueiro a defender no ângulo direito.

Quase inoperante durante a etapa inicial, o Náutico se expôs muito pouco, mas quase calou o Mineirão aos 45 minutos, quando Thássio aproveitou cruzamento na área e finalizou rente à trave direita, deslocando o goleiro Fábio, já batido no lance. Um grande susto para o torcedor cruzeirense.

No segundo tempo o Cruzeiro seguiu melhor e tendo as melhores chances de gol. Aos seis minutos, Wellington Nem cabeceou fraco nas mãos do goleiro Anderson. Depois, aos 11, o goleiro do Náutico tentou sair jogando, chutou em cima de Marcelo Moreno e por pouco não levou um gol bizarro.

Com o time cansado, Luxemburgo mexeu no Cruzeiro e apostou na entrada de Rafael Sóbis e Dudu para aumentar o poder ofensivo. E quase surtiu efeito aos 23 minutos, quando Dudu recebeu dentro da área e finalizou forte, obrigando o goleiro do Náutico espalmar pela linha de fundo.

A reta final da partida foi de pressão do Cruzeiro, que queria presentear o seu torcedor. Aos 40, após cruzamento da direita, Ariel Cabral cabeceou na trave. Depois, aos 41, novamente Cabral tentou chute forte de fora da área e mandou rente à trave para fora.

E as chances seguiram acontecendo até o apito final. Aos 48 minutos, Vitor Roque recebeu cruzamento da esquerda e, sozinho dentro da pequena área, finalizou para fora, na última chance de tirar o zero do placar.

Fonte: Estadão Conteúdo

Imprimir