Cidadeverde.com
Geral

HU inicia cirurgias bariátricas e lança tratamento para obesidade mórbida

Imprimir
  • foto9.jpg Roberta Aline/Cidadeverde.com
  • foto8.jpg Roberta Aline/Cidadeverde.com
  • foto7.jpg Roberta Aline/Cidadeverde.com
  • foto6.jpg Roberta Aline/Cidadeverde.com
  • foto5.jpg Roberta Aline/Cidadeverde.com
  • foto4.jpg Roberta Aline/Cidadeverde.com
  • foto3.jpg Roberta Aline/Cidadeverde.com
  • foto2.jpg Roberta Aline/Cidadeverde.com
  • foto1.jpg Roberta Aline/Cidadeverde.com
  • hu8.jpg Roberta Aline/Cidadeverde.com
  • hu7.jpg Roberta Aline/Cidadeverde.com
  • hu6.jpg Roberta Aline/Cidadeverde.com
  • hu5.jpg Roberta Aline/Cidadeverde.com
  • hu4.jpg Roberta Aline/Cidadeverde.com
  • hu3.jpg Roberta Aline/Cidadeverde.com
  • hu2.jpg Roberta Aline/Cidadeverde.com
  • hu1.jpg Roberta Aline/Cidadeverde.com

O Hospital Universitário da Universidade Federal do Piauí (HU-Ufpi) inaugurou, nesta quinta-feira (2), o Programa de Tratamento de Obesidade e Serviço de Cirurgia Bariátrica Dr. Salomão Chaib, em homenagem ao médico piauiense pioneiro em cirurgias bariátricas no Brasil. 

O novo serviço vai dispor de tratamento multiprofissional para obesos mórbidos. O superintendente do HU-Ufpi, médico Paulo Márcio, conta que 60 mil piauienses sofrem com obesidade mórbida. 

"É um tratamento completo para que tem obesidade. Vai desde a assistência ao fonoaudiólogo, psicólogo,  nutricionista, nutrólogo, endocrinologista, cirurgião plástico, cirurgião do aparelho disgsestivo, gastroenterologista, e mais, Um time multiprofissional para oferecer para além dos 60 mil piauienses obesos mórbidos o tratamento que ele precisa para adquirir a vida novamente,  a auto-estima e poder viver mais e melhor. Iniciamos como se deve iniciar o caminho, com o primeiro passo", detalha Paulo Márcio. 

O médico Gustavo Santos, chefe do Serviço de Cirurgia Bariátrica, adianta que na próxima segunda-feira (6) será realizado o primeiro procedimento cirúrgico bariátrico no HU-Ufpi. O programa de Tratamento de Obesidade  é 100% SUS e para ter acesso é preciso regulação de serviço de saúde do município. No setor privado, este tipo de cirurgia chega a custar R$40 mil. 

No Programa de Tratamento de Obesidade e Serviço de Cirurgia Bariátrica do HU-Ufpi o paciente é acompanhado do pré-operatório até o pós-alta.  "Nosso objetivo é fazer uma cirurgia por semana. Para ter acesso ao servico, a pessoa com obesidade mórbida precisa procurar uma unidade básica de saúde e pedir um encaminhamento para cirurgia bariátrica no Hospital Universitário", explica. 

O médico conta que o perfil de pessoas com obesidade mórbida é variado e o problema atinge a população  nas mais diversas faixas etárias, independente da condição financeira.

"A obesidade  atinge desde a pessoa pobre a pessoa rica. Atinge do adolescente ao adulto. É um perfil variado, mas em geral é a pessoa que tem grande excesso de peso e esse peso causa impacto na saúde, na qualidade de vida e doenças associadas", acrescenta.

Hoje o HU-Ufpi também recebeu novos equipamentos  - no valor total de R$ 2.475.510,71 - para o Centro Cirúrgico e outras áreas do hospital. Parte deles foi adquirido por meio de emendas parlamentares dos deputados federais Marina Santos (PL) e Fábio Abreu (PL). 

Durante a inauguração do  Programa de Tratamento de Obesidade Mórbida, autoridades foram homenageadas (políticos, procuradores, professores, profissionais de saúde, servidores do HU-UFPI), dentre elas,a juíza federal Marina Cavalcanti, a desembargadora Liana Chaib, o médico Zenon Rocha Filho, o presidente da Fundação Municipal de Saúde, Gilberto Albuquerque e secretário de Estado da Saúde, Florentino Neto. Eles receberam medalha de honra ao mérito. 

 

 

 

Flash Izabella Pimentel
[email protected]

 

Imprimir