Cidadeverde.com
Geral

Com obra iniciada, pista rompida pela chuva pode ser liberada até dia 31

Imprimir

Foto: DER

O Departamento de Estradas de Rodagem (DER-PI) iniciou, na manhã desta quarta (29), as obras de recuperação de trecho da PI-247, entre os municípios de Uruçuí e Ribeiro Gonçalves, que rompeu após as fortes chuvas que castigam o Território Tabuleiros do Alto Parnaíba.

Segundo o consultor de Engenharia do DER-PI, Severo Eulálio, há previsão da pista ser liberada para o tráfego até o dia 31 de dezembro.

“Mas esse prazo vai depender do tempo, da intensidade das chuvas. As máquinas lançarão no leito danificado da rodovia uma base de pedra e brita, depois uma manta geotêxtil e uma camada em revestimento de piçarra devidamente compactada. Nossas equipes estão correndo contra o tempo e acelerando os trabalhos”, afirma Eulálio.

A equipe técnica composta por engenheiros do DER-PI e da Secretaria de Estado da Defesa Civil (Sedec) descartou a utilização de uma ponte móvel no local devido à inviabilidade técnica desta estrutura. “Estamos fazendo uma obra emergencial e provisória para que as cidades não fiquem isoladas. Após o período chuvoso, executaremos uma ação definitiva”, acrescenta Severo Eulálio.

Uma comitiva do governo permanece na região para alinhar soluções e acompanhar as ações executadas pelos órgãos estaduais nas áreas social e de infraestrutura.

Além de Uruçuí, Ribeiro Gonçalves e Baixa Grande do Ribeiro, mais 9 municípios do Território Tabuleiros do Alto Parnaíba estão sob Decreto de Emergência publicado, ontem (28), pelo Governo do Estado. O documento tem validade de 90 dias.

Famílias protegidas

O secretário da Defesa Civil Estadual, José Augusto Nunes, garante que a situação em Uruçuí está sob controle e as famílias estão sendo assistidas pelo poder público. 

“O cenário na região de Uruçuí está sob controle. Neste momento, atuamos em conjunto com os demais órgãos das esferas municipal, estadual e federal. As 10 famílias atingidas pela cheia do Parnaíba foram deslocadas para casas alugadas pela Prefeitura ou residências de parentes”, informa José Augusto.

 

 

Da Redação
[email protected]

Imprimir