Cidadeverde.com
Geral

Secretário teme inundações em Teresina com cheia do Rio Parnaíba

Imprimir

Fonte: Chesf

A barragem de Boa Esperança atingiu nesta sexta-feira (07) 82% da sua capacidade total. Por conta disso, a Companhia Hidrelétrica São Francisco (Chesf) tem elevado a vazão da água despejada no Rio Parnaíba, que passou de 400 m³/s para quase 2 mil m³/s,  em aproximadamente 15 dias. 

O secretário municipal de Defesa Civil de Teresina, Carlos Ribeiro, teme que isso possa fazer o rio transbordar em Teresina. "Nossa preocupação é com o Rio Parnaíba. Porque está havendo muita chuva no Sul do Piauí. A barragem da Boa Esperança está recebendo um volume d'água maior do que tá liberando", frisou o secretário. 

Em 10 dos últimos 15 dias, a barragem de Boa Esperança teve mais afluência (água que chega ao reservatório) do que defluência (água que deixa o reservatório). Isso fez com que a Chesf aumentasse a vazão e, consequentemente, elevasse a água que é despejada no rio Parnaíba. 

Fonte: Chesf

Devido esse aumento, a vazão no reservatório de Boa Esperança está atualmente em 1.989 mil m³/s, segundo o último boletim hidrológico divulgado pela Chesf. 

"Isso nos preocupa. Se, por acaso, a barragem liberar ainda mais a vazão, em Teresina, corre o risco do rio transbordar. Nossa preocupação é essa", destacou o secretário Carlos Ribeiro. 

A previsão meteorológica indica a continuidade da ocorrência de chuvas na Bacia do Parnaíba.

Desabrigados em Teresina

Subiu para 424 o número de famílias desabrigadas em razão dos alagamentos provocados pelas chuvas em Teresina. A informação foi repassada na manhã desta sexta-feira (07) pelo secretário de Desenvolvimento Urbano e Habitação, Edmilson Ferreira, coordenador do comitê emergencial que monitora a situação na capital. 

De acordo com a Defesa Civil municipal, mais de 90% das famílias desabrigadas são da zona Norte de Teresina. Elas estão sendo acolhidas na residência de inscritos no programa "Família Acolhedora" e em escolas da rede municipal de ensino. 

Nataniel Lima e Paula Sampaio
[email protected] 

Imprimir