Cidadeverde.com
Vida Saudável

Brasil recebe em 3 de fevereiro mais 1,8 milhão de doses pediátricas da Pfizer

Imprimir

Foto: Ascom / Governo de São Paulo

O Ministério da Saúde deve receber no próximo dia 3 o quarto lote de vacinas da Pfizer direcionadas ao público de 5 a 11 anos. A previsão é que ocorra o desembarque no país de cerca de 1,8 milhão de doses.

O secretário-executivo do Ministério da Saúde, Rodrigo Cruz, afirmou em redes sociais que os lotes seguintes serão entregues nos dias 10, 17 e 24 de fevereiro.

No total, a pasta espera receber 7,2 milhões de doses pediátricas da Pfizer no próximo mês. Cada entrega deve ser de 1,8 milhão de doses.

A Pfizer enviou 4,3 milhões de doses para crianças em janeiro. Em março, a farmacêutica prevê embarcar ao Brasil outras 8,4 milhões de unidades.

Além dessas 20 milhões de vacinas, o governo espera receber mais 10 milhões de doses da Pfizer para crianças no primeiro trimestre. Esse lote, porém, não tem cronograma de entrega definido pela farmacêutica.

A vacinação das crianças no Brasil começou no último dia 14. O menino indígena Davi Seremramiwe Xavante, 8, foi o primeiro imunizado.

A Coronavac também pode ser aplicada em menores de idade, de 6 a 17 anos. A campanha nos mais jovens com esta vacina começou, em São Paulo, no dia 20.

Na última sexta (21), o Ministério da Saúde confirmou a inclusão da Coronavac na campanha de vacinação contra. De acordo com Rodrigo Cruz, secretário-executivo da pasta, o país tem cerca de 9 milhões de doses disponíveis para aplicar nesse público.

Do total, 3 milhões estão nos estados e já podem ser usadas, uma vez que a vacina aplicada em crianças é a mesma utilizada em adultos. Outros 6 milhões estão nos estoques do ministério e deverão começar a ser distribuídas nos próximos dias.

O ministério pediu dados exatos aos estados sobre o estoque da Coronavac. O governo vai avaliar a necessidade de comprar mais doses de Coronavac do Instituto Butantan depois de consolidar estas informações.

A vacinação de crianças e adolescentes é tema sensível no governo Jair Bolsonaro (PL), pois o mandatário distorce dados e desestimula a imunização dos mais jovens. Ele chegou a ameaçar expor nomes de servidores da Anvisa que aprovaram o uso de vacinas da Pfizer em crianças.

Em nota divulgada no último dia 8, o presidente da Anvisa, Antonio Barra Torres, rebateu insinuações de supostos interesses escusos da Anvisa na vacinação de crianças e cobrou retratação do presidente.

Fonte: Folhapress

Imprimir