Cidadeverde.com
Geral

Mulher teria sido morta após conseguir direito à pensão alimentícia do ex-marido, diz Baretta

Imprimir

Foto: arquivo Cidadeverde.com

A investigação do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) indicou como uma possível motivação do feminicídio da dona de casa Marilena Pereira da Rocha, 59 anos, o pedido por pensão alimentícia como ex-esposa, direito garantido por lei e concedido após entrar na Justiça. Ela foi baleada no rosto há cerca de uma semana e veio a óbito nesta segunda-feira (31). O ex-marido, o tenente aposentado da Polícia Militar, Pedro José de Oliveira, de 65 anos, foi apontado como autor do crime e está preso.

"Ela entrou com uma medida cautelar na Justiça, um pedido de pensão alimentícia e foi prontamente atendida pelo meritíssimo, tendo em vista que ela juntou as provas necessárias. E é um direito consignado na lei", disse o delegado Francisco Costa, o Baretta, coordenador do DHPP. O valor da pensão alimentícia não foi informado. 

Marilena Pereira e o ex-marido estavam separados há cerca de 20 anos. Baretta acrescenta que o inquérito está na fase de conclusão. 

"Ele está preso, o inquérito está muito bem andado. A delegada já fez a oitiva de várias pessoas, inclusive de familiares, filhos e testemunhas, requisitou perícia, fez busca e apreensão na casa dele. Agora ela vai concluir com o relatório final, juntando o laudo cadavérico", destacou Baretta. 

Foto: Renato Andrade/ Cidadeverde.com

 A vítima estava andando de bicicleta no bairro Mocambinho, na zona Norte de Teresina, quando foi derrubada pelo suspeito e baleada com três tiros à queima-roupa.  Ele- que teria premeditado o crime- ainda chegou a fugir do local, mas foi preso no mesmo dia.


Graciane Sousa
[email protected]

Imprimir