Cidadeverde.com
Últimas

Prefeitura se reúne com TRT e apresenta proposta para encerrar greve dos ônibus em Teresina

Imprimir

Foto: Divulgação/TRT

O secretário municipal de Finanças, Robert Rios, se reuniu novamente nesta terça-feira (29) com a desembargadora Liana Chaib e o desembargador Manoel Edilson, do Tribunal Regional do Trabalho (TRT), para tratar sobre a greve dos ônibus de Teresina. Durante a reunião o secretário apresentou uma proposta para os trabalhadores, que pode ajudar a colocar um fim na greve.

Nesta terça-feira, os desembargadores se reuniram novamente com o secretário Robert Rios, que informou ao Cidadeverde.com que a prefeitura manteve a proposta de repasse de R$ 1,2 milhão Setut e apresentou também uma proposta de repasse para os trabalhadores, de valor não informado. O secretário afirmou que só vai falar sobre a proposta apresentada, quando o acordo for assinado.

Após a proposta do secretário, os desembargadores Liana Chaib e Manoel Edilson se reuniram com membros do Sintetro. Segundo a desembargadora, a prefeitura apresentou propostas que podem por um fim na greve.

“Na reunião de hoje já tivemos algumas definições mais concretas, estivemos novamente com o secretário de Finanças que está aberto a negociação, que colocou algumas propostas concretas e acredito que até amanhã teremos uma solução. Ele está disposto a negociar, a categoria dos empregados também, o Sintreto esteve mais uma vez reunido e também estão mais uma vez abertos ao diálogo”, destacou.

Foto: Divulgação/TRT

Desembargadora Liana Chaib

Segundo a desembargadora, com a prefeitura e o Sintreto negociando, é necessário que o Setut também participe das negociações, e que se comprometa a assinar a convenção coletiva, que é a principal reivindicação dos trabalhadores, que garante os direitos da categoria.

“Então conclamo o Setut que também possa contribuir nessa negociação. O secretário pretende fazer um repasse, mas é necessário que se suspenda a greve e já existe uma situação que o Sintetro está olhando com boa intenção, mas é necessário também que os empresários possam firmar um acordo coletivo com a categoria, que se disponham também a abrir mão e renunciar, porque eu acho que nessa situação todos são responsáveis e precisam contribuir, todos precisam abrir mão de algo, renunciar algo, então conclamo para os empresários do Setut para que possam também dar sua contribuição”, destacou a desembargadora.

Sintetro vai discutir propostas

Já o presidente do Sintreto, Antônio Cardoso, afirmou que vai realizar algumas reuniões para discutir as propostas apresentadas pelo secretário de Finanças. Até que ocorra um acordo, a greve continua.

“Mais uma vez vimos o interesse da doutora Liana Chaib e do Manoel Edilson de buscar de todas as formas uma saída para essa situação que cada vez mais se agrava. Encontramos alguns pontos que ainda não podem ser revelados, mas estamos buscando de todas formas uma saída. Vamos ter hoje uma conversa com o deputado Antônio Félix e com o gerente de uma empresa para ver se a gente pontua o que foi falado aqui, para que haja uma saída que seja viável para todo mundo, para nós, trabalhadores do sistema e para a população que vem sofrendo com os ônibus que não estão rodando”, destacou.

Antônio Cardoso informou que o acordo só não aconteceria se o Setut não negociar para colocar um fim na greve na cidade de Teresina.

“As conversas estão se deslanchando para a gente resolver essa situação. Por parte do Sintetro, pode ter certeza que buscamos de todas as formas resolver. Só não resolveria se fosse por parte do Setut, porque até pelo TRT está sendo buscada essa saída. Vai depender muito do Setut, a prefeitura já se posicionou que quer resolver essa situação e então hoje o impasse está no Setut”, afirmou.

Setut cobra valores

Na segunda-feira (28), após o secretário apresentar uma proposta de repasse de R$ 1,2 milhão Setut e um subsídio do diesel, o Setut cobrou do poder público municipal o pagamento de uma dívida de aproximadamente R$ 72 milhões.

De acordo com os empresários, o déficit corresponde a atrasos nos repasses de subsídios acumulados entre novembro de 2020 e fevereiro de 2022. Apesar disso, o sindicato patronal afirma que, em recente reunião com o superintendente da Strans, Cláudio Pessoa, foi comunicado que a Prefeitura de Teresina não reconhece a dívida com os empresários

 

Rebeca Lima e Bárbara Rodrigues
[email protected]

Imprimir