Cidadeverde.com
Esporte

Ministério Público faz acordo com Flamengo-PI e é pago salário mínimo e passagens dos atletas

Imprimir

O Ministério Publico do Trabalho interviu no caso Flamengo do Piauí e conseguiu na manhã desta segunda-feira (11) que o clube quitasse uma parte da divida com os atletas – valor de um salário mínimo e também as passagens para que esses jogadores retornassem para seus estados de origem. O procurar geral do MTP, Edno Moura foi quem falou sobre a situação. O sindicato dos atletas também tomou partido pelos jogadores e na última semana foi feito uma visita as instalações do Rubro-Negro.

“Depois que a gente conseguiu liberar esses atletas recebendo um salário mínimo, agora o nosso objetivo é fazer com que o Flamengo pague as demais verbas devidas a esses trabalhadores. Pague o restante do salário que é o nosso objetivo mais imediato, mas também as verbas de natureza rescisória que também são devidas pelo Esporte Clube Flamengo”, disse o procurador geral, Edno Moura, do Ministério Público do Trabalho.

O Flamengo do Piauí se instalou ao longo desses três meses de Campeonato Piauiense no CT do Piauí, localizado no bairro Usina Santana, zona sudeste. Nos últimos meses o empate entre atletas x diretoria ganhou vários capítulos.

O Rubro-Negro foi rebaixado para Série B do Piauiense com três rodadas de antecedência de encerrar o Piauiense 2022. O último jogo a elite do Estadual foi no dia 3 de abril, quando o time foi goleado pelo Altos mas uma vez, dessa vez pelo placar de 6 a 0 e o jogo encerrou aos 23 minutos da segunda etapa por conta de insuficiência técnica.

Desde então, 11 jogadores que seguiam nas instalações do clube vivem a dificuldade em receber salários e conseguir voltar para suas casas. Os atletas alegavam não ter alimentação no CT, falta de energia, estrutura interna precária. Na última semana foi realizada uma vistoria do MPT junto ao Sindicato dos Atletas, que chegou a constatar situação ‘análoga a escrava’.

"É bom deixar bem claro que o Ministério Público do trabalho já havia movido uma ação judicial para impedir a participação do Flamengo no Campeonato Piauiense, pois sabia de antemão que esse clube não tinha as minimas condições de participar da competição. Ele já tinha uma dívida bastante alta e ela só iria aumeumentar, como de fato aumentou e só iria causar transtornos tanto para os atletas como a imagem do futebol piauiense, ou seja, antes de participar o Flamengo-PI precisaria passar por uma reestruturação adequada", frisou o procurador Edno Moura. 

Foto: Divulgação/ FlamengoEC

O Flamengo passou por inúmeras dificuldades na temporada 2022. Antes mesmo de começar o ano quase não consegue entrar no campeonato por conta de dividas trabalhistas e com muito esforço conseguiu a liberação. Dentro da competição, na metade do Estadual a diretoria entrou com um inquérito junto a Polícia Civil por conta de suspeita de manipulação de resultados, o inquérito segue acontecendo junto a DECCOTERC - Delegacia Especializada de Crimes Contra a Ordem Tributária, Econômica e Contra as Relações de Consumo.

O Flamengo-PI foi rebaixado pela segunda vez em sua história, mas esse ano fez a pior temporada no sentido de resultados desde seu surgimento. 14 jogos – um empate e 13 derrotas consecutivas. O time irá disputar a segunda divisão do piauiense em 2023.

 

 

Pâmella Maranhão
[email protected]

Imprimir