Cidadeverde.com
Geral

Viúva de médico, que morreu em avião, revela emoção de ler última mensagem deixada por ele

Imprimir

Foto: Arquivo Pessoal

A publicitária Lícia Dutra utilizou as redes sociais para prestar homenagem ao marido, o médico Glauto Tuquarre Melo, 49 anos, que morreu dentro de um avião, quando viajavam em lua de mel. 

Na postagem, ela relata a emoção de ler a última mensagem deixada por ele e  destaca características do médico que era conhecido por amigos pela forma humana que exercia a medicina.   

“Queria ter respondido aquela mensagem a tempo, só para dizer que eu fui muito feliz ao seu lado. Obrigado por tudo. Eu também te amo!”, escreveu Dutra ao se referir a última mensagem que Glauto Tuquarre Melo enviou antes de morrer. 

Na homenagem, Lícia destacou o quando o marido gostava de gente, estar perto de familiares e amigos e reunir todo mundo em sua casa.”Para reunir todo mundo, não precisava motivo, bastava a ocasião, uma garrafa de vinho e uma cerveja gelada. Quantas histórias você contava nos fazendo rir”, relembrou a viúva. 

A publicitária ressaltou também a capacidade de Glauto em conseguir arrancar sorrisos de pacientes, mesmo após um diagnóstico de câncer. Fazendo com que as lágrimas perdessem lugar para o sorriso. 

Corpo ainda não chegou 

Glauto morreu na madrugada no dia 25 deste mês. Ele havia se casado no sábado (23) e fazia uma viagem internacional para as ilhas Maldivas, no Oceano Índico. Ele sentiu dores no peito, foi socorrido por dois médicos que estavam no avião, mas não resistiu e morreu, com suspeita de infarto fulminante. 

O corpo de Glauto Tuquarre ainda se encontra em Doha, capital do Catar. A família aguarda a chegada do corpo a Teresina (PI), ainda sem data prevista.

A missa de sétimo dia aconteceu nesta segunda-feira (02/05), na Paróquia São José Operário. 

 

 

Confira a homenagem na íntegra

'Eu te amo muito. Sou feliz ao seu lado' foi a última mensagem que você me enviou. Eu via e ouvia o quão feliz você estava nos últimos dias, nos últimos meses, nos últimos anos. 

Eu acho que o destino quis nos juntar de novo por algum motivo. Era como se nosso reencontro na vida precisasse. E o destino estava certo. 

Você voltou, no momento em que eu mais precisava, por conta do falecimento do papai. Me deu a mão, me apoiou, se reintegrou a minha vida e foi ocupando um espaço, que parecia estar guardado há anos, só esperando você chegar outra vez. 

Não havia uma só pessoa que não enxergasse o quanto você queria me fazer bem. Era seu propósito e você não mediu nenhum esforço para me colocar no melhor lugar do mundo: ao seu lado. Que bom que você conseguiu.

Você sempre gostou de casa cheia. Cheia de familiares, amigos, colegas do trabalho. Para reunir todo mundo, não precisava de motivo, bastava a ocasião, uma garrafa de vinho e uma cerveja gelada. Quantas histórias você contava nos fazendo rir. 

De todas as nossas lembranças, acho que a que mais vou guardar era de como você gostava de gente. Nunca deixou que ninguém ficasse triste ou sem esperança diante da pior das notícias. Lidava com o câncer de uma forma tão humana, que parecia ter solução para tudo. As vezes, ao invés de lágrimas após um diagnóstico, conseguir arrancar sorrisos dos pacientes. 

O meu peito se enche ainda mais de amor, quando ouço as pessoas que te rodeavam dizendo: 'ele era um médico humano' ou 'ele ouvia a gente com atenção. Apesar da profunda tristeza que todos vivemos agora, acho que você não gostaria que a gente chorasse, logo você que combatia tristeza com alegria todos os dias. 

Hoje nossa casa voltou a ficar cheia. Nossos amigos, familiares, pessoas que te amavam chegavam, chorosos... mas bastava lembrar das inúmeras histórias que você contava para substituir as lágrimas pelos sorrisos, o cafezinho pelo wisk (servido pelo seu pai), a tristeza pela alegria das recordações que você deixou. 

Todo mundo que teve o privilégio de te conhecer sabe o tamanho da sua felicidade ao concretizar esse projeto que realizamos juntos. Seu pai, mãe, irmãos, filha, parentes e amigos tem muito orgulho de tudo que puderam compartilhar enquanto você esteve aqui conosco. Além de tudo o que meu deu, esses são quatro presentes que não largo jamais, meus sogros Deolinda, a sogrinha, Seu Didi, Júlia e Glaucyanne. Prometo cuidar e estar sempre com eles, suprindo um pouquinho da falta que você vai fazer. 

Você dizia que é preciso ter pressa para viver, que é preciso aproveitar nossos familiares, nossos amigos, por que a vida passa rápido demais. Queria ter respondido aquela mensagem a tempo, só pra dizer que eu fui muito feliz ao seu lado. Obrigado por tudo. Eu também te amo!

 

Nataniel Lima
[email protected] 

Imprimir