Cidadeverde.com
Política

Projeto que proíbe inauguração de obras incompletas gera embate entre vereadores

Imprimir

Foto: Renato Andrade/Cidadeverde.com 


Os vereadores Antônio José Lira (Republicanos) e Ismael Silva (PSD) protagonizaram um embate com o vereador na sessão da Câmara Municipal desta terça-feira (24). O motivo foi projeto de lei que proíbe a inauguração e a entrega de obras públicas incompletas ou que, embora concluídas, não atendam ao fim que se destina em Teresina. 

O projeto de lei foi proposto por Ismael Silva, membro do bloco da oposição, e passaria pela primeira votação. O parlamentar explicou que a proposta tem como objetivo impedir que inaugurações de determinados tipos de obras seja sejam usadas para fins eleitorais, sem que elas, de fato, sejam entregues para servir à sociedade. 

Na fala em que deu, o parlamentar usou como exemplo o ginásio esportivo Petrônio Vasconcelos, no bairro Lourival Parente, que segundo ele, chegou a ser inaugurado, mas nunca a ser aberto para o uso da população. 

“O projeto é direciona a proibição de inauguração de obras inacabadas ou que embora prontas não estejam preparadas para servir a população. Sendo mais claro, aquelas que não possuem todas as licenças e alvarás para entrar em funcionamento. Uma escola, por exemplo, precisa de carteiras e servidores para prestar serviços à população ou termina sendo inútil […] queremos impedir que essas obras sejam utilizadas com fins eleitoreiros, violando o princípio da impessoalidade”, destacou. 

Ao ser colocado em pauta durante a votação na Câmara, o projeto foi alvo de contestações por parte de Antônio José Lira. Para o vereador, a proposta não se justifica e barra ações gestão na capital. 

“Ele quer apresentar um projeto que se a gente inaugurar a primeira etapa [da obra], não pode. O povo deve ficar o tempo todo triste com ele, amargo. Se fez a primeira etapa da Via Sul, que se inaugure, sim, para o povo ficar feliz. Para a população ficar feliz e a que vai ser feita ficar na esperança. Parece que ele está querendo pautar a gestão. Por que não pautou quando era da base? Estava entupido, com a pitomba na boca, com bombom na boca? O que aconteceu para agora ele estar contra a gestão?”, questionou. 

Perguntado sobre as críticas feitas por Antônio José Lira, Ismael pontuou que reagiu usando o respeito para responder ao parlamentar: “Sempre com muito respeito. Mas, infelizmente, não houve o mesmo posicionamento, a mesma postura dele”, disse. 

Dos demais vereadores ouvidos pela reportagem, o posicionamento acerca da proposta se dividiu. Entre aqueles que o analisaram negativamente, a fala é de que a medida abriria margem ações do Ministério Público (MP). 

A matéria foi retirada de pauta, pois os demais vereadores da oposição pediram para acrescentar dispositivos na proposta que abrirão margem para as obras sejam inauguradas por etapas.

 


Flash Paula Sampaio
[email protected] 

Imprimir