Cidadeverde.com
Geral

Polícias Civil e Militar firmam parceria para cumprir mandados no Piauí; 13 presos em 5 dias

Imprimir

Uma parceria firmada entre as Polícias Civil e Militar para cumprimento de mandados de prisão está garantindo resultados positivos, com 13 pessoas presas em 5 dias. 

O delegado Luccy Keiko e o comandante da PM, coronel Scheiwann Lopes, realizaram nesta quinta-feira (2) uma reunião para discutir as próximas etapas. Nos últimos cinco dias foram cumpridos 13 mandados, sendo que 7 eram de homicidas.

Luccy Keiko disse que a ação integrada, com apuração realizada pelos serviços de inteligência das duas polícias para a localização dos suspeitos, é essencial para o cumprimento dos mandados. 

“Resolvemos estreitar mais ainda essa parceria existente, no sentido de otimizar os cumprimentos de mandados abertos, com apoio da polícia militar, e também com operações relevantes como aconteceu no resgate de crianças e a de Campo Maior, onde ação conjunta foi essencial para que essas ações fossem bem cumpridas. Conseguimos fazer com que nos últimos dias, sete mandos de prisão de homicidas que não estavam sendo localizados, com auxílio da polícia militar, com o seu serviço de inteligência e o nosso, conseguimos descobrir o paradeiro desses alvos. Acredito que vamos estreitar ainda mais ações e quem vai ganhar é a sociedade”, afirmou o delegado.

Foto: Renato Andrade/Cidadeverde.com

O coronel Scheiwann Lopes disse que a parceria deve ser mantida, e destacou que os índices de criminalidade refletem também na quantidade de mandados de prisão que estão abertos e ainda não foram cumpridos porque os alvos não foram localizados.

“Nós grifamos a idealização desse projeto piloto, com alguns alvos, porque temos essa grande problemática da reincidência. Investimos no policiamento ostensivo e preventivo  para evitar o crime, então temos essa idealização para cumprir o que já existe, que são os mandados de busca e apreensão, onde tem várias pessoas com mandados de prisão em aberto, que são praticantes de crimes, focamos neles para evitar a reincidência”, destacou.

Bárbara Rodrigues e Tiago Melo
[email protected]

Imprimir